Postagem em destaque

Fique atento! Criminosos disfarçados de funcionários da EDP aplicam golpes em São José, SP

Criminosos disfarçados de funcionários da EDP, concessionária de energia que atende 19 cidades da região, aplicam golpes em clientes em ...

segunda-feira, 2 de abril de 2018

Financiamento: entenda porque o juro zero não existe


Resultado de imagem para Financiamento: entenda porque o juro zero não existe


 A taxa zero só dá as caras no papel. Na prática, ela está bem escondida
Vamos ser diretos: juro zero não existe. É uma das formas mais comuns do “me engana que eu gosto” tão arraigado no comércio, inclusive no de veículos novos e usados, para atrair os incautos.
Às vezes nem um negócio de pai para filho prevê emprestar R$ 1.000 para pagar daqui a seis meses pelo mesmo valor.
“Daí vem uma pergunta bem simples: você emprestaria dinheiro para alguém de quem nunca ouviu falar, não conhece nem por indicação, em 15 vezes sem cobrar juros? Imaginem instituições saudáveis realizando parcelamentos dentro dessas condições e dividindo os valores pelas quantidades fixas que os clientes devem pagar”, comenta o youtuber Reinaldo Domingos, que comanda o canal Dinheiro à Vista e é doutor em educação financeira, presidente da Abefin (Associação Brasileira dos Educadores Financeiros) e autor de diversos livros sobre o tema.
A pegadinha da taxa zero está no desconto na compra à vista. Ou melhor, a falta de desconto.
Como funciona: o juro 0% anunciado é sempre calculado em cima do preço de tabela da fábrica. Mas se o interessado decidir pedir um desconto para a compra à vista, vai descobrir que o vendedor está disposto a fazer um abatimento de 10%.
Bingo: é aqui que estão os juros embutidos.

Custos ocultos

Juro zero não existe A saída para isso é paciência na negociação e tempo para pesquisar
A saída para isso é paciência na negociação e tempo para pesquisar (Reprodução/Internet)
As concessionárias que oferecem a dita “taxa zero” ainda recorrem a outro artifício: esse plano de financiamento é oferecido em circunstâncias mais restritas.
Em geral, elas exigem uma boa entrada – algo como 40% a 60% do total do carro – combinada a um número reduzido de parcelas, normalmente até 12 meses.
Mesmo uma parcela inicial para pagar só daqui a 30 dias também prevê uma taxa embutida. O antídoto para isso é paciência na negociação e tempo para pesquisar.
Portanto, o primeiro passo começa em casa, buscando na internet as principais ofertas para o modelo que você quer e as diferentes opções de financiamento.
A segunda etapa na busca do que for mais próximo do “juro zero” é ir para a rua para comparar entre três e cinco lojas e negociar ao vivo com o vendedor.
Uma delas terá de lhe conceder o correspondente dos juros embutidos em forma de desconto – algo geralmente entre pelo menos 5% e 10% no pagamento à vista.

fonte: Quatro Rodas
Postar um comentário

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

COMPARTILHE