Postagem em destaque

Fique atento! Criminosos disfarçados de funcionários da EDP aplicam golpes em São José, SP

Criminosos disfarçados de funcionários da EDP, concessionária de energia que atende 19 cidades da região, aplicam golpes em clientes em ...

terça-feira, 6 de março de 2018

Cuidado! Você pode estar ingerindo "Salmonela". Frangos vendidos no Brasil traz mais riscos do que os exportados

Resultado de imagem para salmonella

A União Europeia (UE) é mais rigorosa que o Brasil com relação ao controle da bactéria salmonela na produção de aves, mas isso não significa que o método adotado por aqui seja ineficiente, segundo especialistas ouvidos pelo G1.

A salmonela é uma bactéria comum que faz parte da flora intestinal de seres humanos e de animais. Há, no entanto, dois tipos de maior preocupação para a saúde pública: a Salmonella typhi, que leva a infecções sistêmicas; e a Salmonella Typhimurium, um dos agentes causadores das gastrenterites (inflamações no estômago e no intestino).

Quem se contamina com esses tipos de salmonela pode sentir náuseas, dores abdominais, dores de cabeça e diarreia. No limite, a contaminação pode levar à infecção generalizada.

No Brasil, a fiscalização vai no sentido de reduzir a quantidade de bactérias presentes nos alimentos e há tolerância para a presença do micro-organismo em amostras. Já na Europa, não há um limite permitido para a salmonela. Nesse sentido, a operação Carne Fraca prendeu dez envolvidos suspeitos de fraudar laudos para exportação da BRF Brasil Foods, incluindo o ex-diretor-presidente da empresa.

Especialistas explicam as diferenças na fiscalização entre países do bloco e os órgãos brasileiros.

As regras no Brasil:


  • Há um processo de controle de carcaças, quando o frango está prestes a ser rotulado.
  • A frequência da coleta depende de acordo com a quantidade da produção. Por exemplo, a empresa que abate de 100 a 200 mil frangos por dia deverá retirar as amostras diariamente.
  • Serão 51 amostras coletadas, das quais 12 podem conter salmonela - cerca de 23% de tolerância.
  • No caso da análise por lote embalado, serão coletadas 5 amostras e apenas 1 poderá conter o micro-organismo (20%).

As regras na União Europeia:


  • Para importação e para o mercado interno, os europeus exigem que os lotes passem por uma coleta de cinco amostras. No entanto, não pode haver a detecção de salmonela em nenhum deles.

De acordo com Humberto Cunha, gerente de qualidade de um abatedouro de frango em Minas Gerais que exporta para a UE, os padrões exigidos pelo Brasil e pelo grupo econômico são mesmo diferentes.

Ele explica que a forma de análise adotada no Brasil, com 51 amostras, é muito parecida com a legislação vigente nos Estados Unidos.

"O Brasil copia muito o que os Estados Unidos impõem. A nossa legislação é muito parecida, por lá eles aceitam um limite [de salmonela]. É um desafio muito grande produzir um produto 100% ausente de salmonela", explicou.  

Método brasileiro traz riscos?

De acordo com o Ministério da Saúde, a presença de salmonela spp é comum em carne de aves, pois faz parte da flora intestinal desses animais, mas a bactéria é destruída quando submetida a altas temperaturas, como fritura e cozimento.

A professora Letícia Casarin, da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, diz que são necessárias cerca de 1 milhão de células do micro-organismo para causar a doença.

"Mas esse número também varia, já que é uma média para adultos saudáveis sem comprometimento do sistema imunológico. Pode ser que uma criança precise de menos para ter a infecção".

Casarin confirma que o cozimento ou fritura destroem a salmonela, mas alerta que uma quantidade pequena da bactéria pode ser uma fonte de contaminação.

"Um frango com uma quantidade pequena [da salmomela] pode ser uma fonte de contaminação. A pessoa vai manusear o frango na mesa, vai cortar. Depois de cozido, ele vai estar livre, mas outras coisas que passaram pela cozinha talvez não".

A professora acredita que a diferença de legislação de Brasil e Europa pode ter motivação histórica:

"Provavelmente, nós temos essa tolerância maior com base no nosso histórico. Temos um histórico de alguns anos atrás de alta contaminação com salmonela. Passou a ser bem controlada, mas, provavelmente, como temos uma incidência maior, temos uma tolerância maior", explicou.

"Acho que o risco para a população é muito baixo, porque não comemos o frango cru. Mas isso mostra que temos uma incidência que não conseguimos controlar. E que os mercados de fora não aceitam isso". 

A operação 

Deflagrada nesta segunda-feira (5), a nova fase da Operação Carne 
Fraca investigou quatro fábricas da BRF que fraudaram laudos sobre a presença da bactéria salmonela a fim de garantir a exportação dos produtos.

Dez pessoas foram presas, entre elas Pedro de Andrade Faria, ex-diretor-presidente global da BRF. Em nota, a BRF afirma que segue normas de qualidade e que vai colaborar com as investigações “para esclarecimento dos fatos”.

De acordo com a Polícia Federal e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), estão envolvidas na fraude três fábricas para consumo humano e uma que produz ração: de Carambeí (PR) e de Rio Verde (GO), que produzem frango; de Mineiros (GO), que produz peru; e de Chapecó (SC), que fabrica ração.

As investigações apontam fraude nos laudos emitidos para exportação a 12 países que exigem requisitos sanitários específicos de controle da bactéria do tipo salmonela spp.


fonte: G1
Postar um comentário

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

COMPARTILHE