Postagem em destaque

Fique atento! Criminosos disfarçados de funcionários da EDP aplicam golpes em São José, SP

Criminosos disfarçados de funcionários da EDP, concessionária de energia que atende 19 cidades da região, aplicam golpes em clientes em ...

segunda-feira, 16 de abril de 2018

O sexo da múmia misteriosa

O sexo da múmia misteriosa

Passado um século de sua descoberta, identidade de cabeça egípcia de 4 mil anos é desvendada pelo FBI

Um mistério arqueológico que ficou mais de 100 anos sem resposta finalmente foi desvendado. A ajuda veio de uma instituição inusitada: o FBI. Uma cabeça de uma múmia de 4 mil anos encontrada em 1915 por um grupo de arqueólogos dos Estados Unidos, na antiga necrópole egípcia de Deir el-Bersha, ficou armazenada durante um longo período no Museu de Belas Artes de Boston (MFA, na sigla em inglês) sem que seu sexo biológico pudesse ser revelado. A grande dúvida que pairava era se a cabeça pertencera ao governador Djehutynakht ou sua esposa, uma vez que havia sido achada dentro do túmulo do casal, decepada por ladrões que haviam saqueado o local para levar as joias e o ouro ali guardados. As pesquisas concluíram que o casal viveu aproximadamente 2.000 a.C., durante o Médio Império Egípcio, e comandou uma região do alto Egito. Em 2009, após uma tentativa frustrada de identificar o sexo com uma tomografia computadorizada, médicos e funcionários do MFA perceberam que teriam de extrair um dente da múmia para recuperar seu DNA. Mesmo com o molar em mãos, mais alguns anos foram necessários para decifrar os genes.
Euro-asiático
O MFA recorre ao FBI. Em 2016, envia o dente para Odile Loreille, cientista forense que ampliou a quantidade do DNA e colocou-o para ser analisado por um software. O computador detectou a presença de cromossomos X e Y, chegando à conclusão que se tratava de um homem — o governador Djehutynakht. O estudo, publicado na revista “Genes”, constatou que ele tinha traços de ascendência euro-asiática por parte de mãe, e não relacionados às pessoas que vivem atualmente no norte da África, como fora pensado durante séculos pela arqueologia.
fonte: Istoé
Postar um comentário

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

COMPARTILHE