Postagem em destaque

Taubaté; 25 anos: Casa do Figureiro celebra aniversário nesta terça

Local terá atrações musicais, dança, teatro, além de uma cerimônia de solenidade A Casa do Figureiro estará em festa nesta terça-feira (...

segunda-feira, 2 de abril de 2018

Sem repercussão: PM é morto a tiros em posto de combustíveis na Zona Norte do Rio

Subtenente Marcílio de Melo Ferreira, 54 anos, entrou na Polícia Militar em 1987


Subtenente foi rendido e, segundo informações iniciais, os bandidos teriam usado a própria arma do PM para matá-lo. Ele é o 31º policial militar vítima fatal da violência no Rio este ano


Rio - Um policial militar foi morto a tiros, na madrugada desta segunda-feira, em um posto de combustíveis na Estrada Intendente Magalhães, em Marechal Hermes, na Zona Norte. O crime aconteceu por volta das 5h enquanto o subtenente Marcílio de Melo Ferreira, de 54 anos, estava abastecendo uma Kombi, segundo relato de testemunhas. Três suspeitos acabaram presos após o assassinato. O PM, o 31º vítima da violência no Rio, tinha pedido reforma no começo do ano.
De acordo com informações iniciais, os criminosos anunciaram um assalto e, em seguida, atiraram contra o policial. Os bandidos teriam usado a própria arma do policial para matá-lo. O subtenente chegou a ser socorrido ao Hospital Carlos Chagas, em Marechal Hermes, mas não resistiu e morreu. A mulher do PM ajudou no socorro. O casal é conhecido no bairro, e ela foi chamada pelos funcionários do posto. 
Os três criminosos fugiram do local em uma HB20 amarela e acabaram presos por policiais do 9º BPM (Rocha Miranda). Inicialmente, a pistola do policial não foi encontrada. Após buscas, ela foi achada próximo a um muro da Base Aérea do Campo dos Afonsos.
A PM chegou ao local e isolou a cena do crime. A Delegacia de Homicídios da Capital (DH-Capital) foi acionada, realizou a perícia e ouviu testemunhas. Imagens de câmeras devem ser solicitadas.
Marcílio era lotado no 16º BPM (Olaria), casado e deixa seis filhos. Ele estava na corporação há mais de 30 anos, já que entrou em 1987. O subtenente pediu reforma no começo do ano. De acordo com amigos, ele não estava mais aguentando a violência na cidade.
fonte: O Dia
Postar um comentário

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

COMPARTILHE