Postagem em destaque

Oscar 2019 - 1ª mulher indígena como melhor atriz? "Roma" já era um dos filmes mais comentados do ano

Antes mesmo de ser visto pela primeira vez,  Roma  já era um dos filmes mais comentados do ano. Dado como certo na competição do Festival...

Não achou a matéria? Pesquise aqui!

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

'Precisamos do fim da propriedade privada', defende Vera, candidata à Presidência pelo PSTU


Na disputa ao Planalto prega expropriação de empresas e calote na dívida pública
SÃO PAULO - Candidata ao Planalto pelo PSTU, Vera Lúcia, de 50 anos, defende um governo estatizante e a expropriação do sistema bancário e das cem maiores empresas do país. Ativista sindical de Sergipe e ex-operária, formada em Ciências Sociais, ela afirma ser necessário revogar as reformas implementadas por Michel Temer e critica os partidos de esquerda, que para ela se dedicam à defesa da libertação do ex-presidente Lula.

Como a senhora vê a fragmentação da esquerda nessa eleição?

Os partidos de esquerda estão unidos debaixo da asa do PT. Eles têm candidatos diferentes, mas a principal tarefa da esquerda é a campanha Lula Livre. Não há diferença entre os projetos. O Guilherme Boulos (pré-candidato do PSOL) propõe fazer plebiscito para que os trabalhadores decidam se querem ou não as reformas de Temer. O que isso muda na vida da classe trabalhadora? Não nos encaixamos nessa denominação. O PSTU é socialista revolucionário. Só defende a classe trabalhadora.
O que acha da tese de que o ex-presidente Lula é um perseguido político?
Lula está preso porque é acusado de corrupção e foi condenado. Está colhendo o que plantou. O Lula traiu os trabalhadores descaradamente. A crise e o desemprego são consequência do governo dele, da Dilma e também do PSDB.

O projeto da senhora defende uma revolução socialista. Como implementaria isso?

O primeiro passo é organizar os trabalhadores e anular todas as reformas: teto de gastos, mudanças na lei trabalhista e terceirização. O segundo é o não pagamento da dívida pública e o não envio das remessas de lucro das multinacionais para o exterior. Depois, a implementação da reforma agrária em latifúndios. Os empresários hoje são os donos dos meios de produção. Precisamos do fim da propriedade privada para que possamos socializar isso. Defendo a expropriação das cem maiores empresas do país, do sistema bancário, (a anulação) de concessões de portos e aeroportos e a reestatização das empresas que foram privatizadas, inclusive da Vale, e sem indenização. Portos e aeroportos sob controle da iniciativa privada voltariam ao controle do poder público. Feito isso, poderíamos reduzir a jornada de trabalho e lançar um plano de obras para absorver a massa de desempregados.

Isso não poderia provocar fuga de investidores e levar ao caos econômico?

Os banqueiros e os empresários podem ir embora. Não precisamos deles. Hoje, cem grandes empresários concentram quase 70% da riqueza. Tem que estatizar. O que estamos propondo é uma sociedade socialista de fato. Não existe sociedade socialista sem democracia operária. Os trabalhadores têm que decidir. O estado em que vivemos é democracia para rico. Para o pobre é uma ditadura.

Esse projeto de 'revolução socialista' tem apoio popular?

Os nossos apoiadores acham que é difícil de ser implementado. Mas não acham que é utopia. Como exigir que o PSTU tenha o seu programa conhecido pelas massas num país continental como o Brasil se nunca tivemos mais de um minuto de tempo de televisão numa eleição? E agora vamos ter apenas sete segundos.

O Bolsonaro deve ter oito segundos e lidera as pesquisas, no cenário sem Lula...

Só que ele (Bolsonaro) é deputado federal há sete mandatos. Ele é milionário. Esses senhores não passam a dificuldade que a gente passa.

A senhora acredita que possa ser eleita?

Não digo que é impossível. Mas, mesmo se fosse, não resolveria os problemas da pátria. Os trabalhadores precisariam se organizar.

Nenhum comentário:

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

COMPARTILHE