Postagem em destaque

'Quando vi as chamas, não acreditei', conta sobrevivente de incêndio na Califórnia

Há dez dias, um incêndio florestal de proporções históricas está devastando uma parte da Califórnia, nos Estados Unidos. São dezenas de m...

Não achou a matéria? Pesquise aqui!

terça-feira, 16 de outubro de 2018

Esquerdista, Luciano Huck critica Bolsonaro: “Ideias retrógradas, sectárias, preconceituosas e belicistas”


O apresentador de TV e empresário Luciano Huck escreveu artigo para jornal comentando os resultados do primeiro turno da eleição


Passou despercebido o artigo publicado pelo apresentador de TV e empresário Luciano Huck no jornal Folha de S.Paulo no último sábado (13). Huck, que ensaiou ser candidato a presidente este ano, comemorou o alto índice de renovação na Câmara e no Senado e criticou o PT e o candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro.

“Bolsonaro se tornou conhecido propagando ideias retrógradas, sectárias, preconceituosas e belicistas. Tudo aquilo de que não precisamos na atual conjuntura. Um postulante ao cargo máximo da República definitivamente não pode pensar e muito menos dizer o que ele já disse ao longo dos seus 27 anos de vida pública”, afirma o apresentador sobre o militar.

Luciano Huck chegou a cogitar disputar a Presidência da República nesta eleição, mas desistiu ainda no início do ano. O nome de Huck foi apresentado como o “novo” e contou com o apoio de políticos como o tucano Fernando Henrique Cardoso.


Antes de desistir, o apresentador havia recebido um ultimato da TV Globo. A empresa comunicou que, se decidisse disputar a eleição, Huck teria de deixar a emissora junto com sua mulher, a apresentadora Angélica. A política interna da Globo estabelece que seus funcionários, de qualquer setor, têm que encerrar o vínculo empregatício caso optem por se candidatar a cargos eletivos.
No artigo para a Folha, intitulado “Sigo aqui”, Huck comemora o resultado de “61% de renovação nas cadeiras do Senado, mais de 50% de novos nomes na Câmara dos Deputados” e “boa parte da velha e apodrecida política aposentada pelas urnas”. E menciona o movimento RenovaBR, do qual faz parte, que tem o objetivo de selecionar homens e mulheres para se lançar na vida política. O RenovaBR elegeu 14 parlamentares federais por diferentes partidos.
Por outro lado, o apresentador lamenta as opções que o eleitor encontrou para a eleição presidencial. “Não compactuo com o modo de pensar e de operar do PT”, afirma Huck, que diz ter “enorme dificuldade em confiar em qualquer que não tenha autocrítica, que não tenha a humildade de aprender com seus próprios erros”.
O candidato do PT ao Planalto, Fernando Haddad, teve 29,28% dos votos válidos no dia 7 de outubro e vai ao segundo turno com Bolsonaro, que teve 46,03% dos votos válidos. No texto, Huck diz que tende a não acreditar que o candidato do PSL, caso seja eleito, “invista no caminho do autoritarismo ditatorial, com atos extremos como fechamento do Congresso, censura na mídia, perseguição política e outros radicalismos antidemocracia”. Mas afirma temer que “o discurso de ódio ou de desprezo pelo diferente na boca de um mandatário eleito pela maioria legitime violência e discriminação”.
O apresentador conclui dizendo que fará parte da “resistência positiva”, qualquer que seja o resultado das urnas, com disposição a “monitorar e fiscalizar com vigor cada passo do novo governo” e ajudar com uma agenda de propostas. “Sempre há de haver espaço para o amadurecimento e revisão de posições equivocadas do passado”, defendeu.

fonte: Folha Uol

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

COMPARTILHE