Postagem em destaque

'Quando vi as chamas, não acreditei', conta sobrevivente de incêndio na Califórnia

Há dez dias, um incêndio florestal de proporções históricas está devastando uma parte da Califórnia, nos Estados Unidos. São dezenas de m...

Não achou a matéria? Pesquise aqui!

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Sindicato dos Metalúrgicos de SJC declara voto ao PT de Haddad contra Bolsonaro, leia o texto

Resultado de imagem para haddad

 Texto Sindicato dos Metalúrgicos


Em defesa do direito de lutar, é preciso derrotar Bolsonaro


Não podemos eleger um presidente defensor da perseguição aos trabalhadores

No dia 28, os brasileiros irão novamente às urnas para escolher quem vai governar o Brasil pelos próximos quatro anos. No primeiro turno, a votação em Jair Bolsonaro (PSL) representou a insatisfação da população com governos que deixaram uma herança de desemprego, corrupção e ataques aos direitos trabalhistas. Entretanto, eleger Bolsonaro é também escolher um perigoso caminho que pode levar à volta de um regime de perseguição e tortura que por 20 anos tomou conta do país.

Seja quem for eleito, o futuro governo será de continuidade aos ataques contra a classe trabalhadora. Tanto Bolsonaro quanto Fernando Haddad (PT) irão governar em benefício de banqueiros e empresários. Mas há uma importante diferença que não pode ser deixada de lado.

Jair Bolsonaro já disse abertamente que é favorável à ditadura, um regime que, entre 1964 e 1985, prendeu, assassinou e mandou demitir trabalhadores, acabou com o direito à greve, à liberdade de imprensa, à eleição presidencial e, principalmente, com o direito do povo criticar o governo.

Em sua primeira declaração pública após a divulgação do resultado do primeiro turno, Bolsonaro afirmou, com todas as letras, que vai acabar com qualquer ativismo no Brasil. Na prática, isto significa tornar ilegais movimentos operários, populares e sociais. Esqueça ir para a porta da fábrica reivindicar seus direitos. Tudo passa a ser proibido. 

Diante deste cenário, o Sindicato defende que a classe trabalhadora deve votar em favor do direito de continuar lutando. Deve votar 13, contra Bolsonaro, mas fazendo oposição a qualquer um dos dois governos a partir de 1º de janeiro. Contra os ataques aos direitos, os metalúrgicos terão de se organizar para derrotar o governo nas lutas. 

“Temos consciência de que nenhum dos dois governará para os trabalhadores, mas chegamos num ponto em que temos de escolher em qual terreno iremos lutar: se queremos um governo em que poderemos seguir com nossas lutas e mobilizações ou um regime em que não poderemos mais lutar", afirma o presidente do Sindicato, Weller Gonçalves.

Povo foi traído
Não é por acaso que Jair Bolsonaro foi o mais votado nestas eleições. A classe trabalhadora se sentiu traída pelos governos de Lula e Dilma, que privilegiaram os banqueiros e empresários durante 13 anos. Votar em Bolsonaro foi como um voto de repúdio ao PT. 

Mas o candidato do PSL e seu vice general Hamilton Mourão também já mostraram que consideram que “trabalhadores têm direitos demais” e é preciso tirar esse peso das costas dos patrões. Se eles já disseram isso durante a campanha eleitoral, imagine o que virá depois da posse!

Por tudo isso, o Sindicato decidiu chamar o voto ao 13, mesmo sem acreditar que Fernando Haddad irá governar para a classe trabalhadora. Neste momento, precisamos defender a liberdade democrática dos trabalhadores. Nos próximos anos, precisaremos desta liberdade para derrotar os ataques que certamente virão.


fonte: Sindicato dos Metalúrcos de São José dos Campos

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

COMPARTILHE