Postagem em destaque

Relatório chocante revela níveis extremos de perseguição aos cristãos na Índia

Líderes governamentais na Índia receberam recentemente um aviso severo da Comissão Americana de Liberdade Religiosa Internacional (USCI...

quinta-feira, 16 de maio de 2019

A força oculta do PSTU

A força oculta do PSTU


Sem representatividade parlamentar, partido aproveita influência sobre os movimentos sindicais para fazer baderna e conturbar o cotidiano de milhões de pessoas

Embora ele não tenha nenhuma representação no Congresso Nacional, tampouco nas Assembleias Legislativas do País, o Partido Socialista dos Trabalhadores Unificados (PSTU), com míseros 17 mil filiados, tem atrapalhado o cotidiano de milhões de pessoas nas principais cidades do País. Com bandeiras retrógradas, o partido prega o fim do capitalismo e a revolução socialista. Nascida de uma das costelas do PT, a agremiação de extrema esquerda surgiu depois de a tendência Convergência Socialista ter sido expulsa do PT em 1992 por defender um “golpe branco de estado” – eles propunham fechar o Congresso Nacional, romper com o FMI e derrubar o governo do ex-presidente Fernando Collor (1990 a 1992), na marra. De lá para cá, mesmo sem sucesso eleitoral, o PSTU passou a fazer estardalhaço, principalmente depois de 2004, quando criou a Central Sindical e Popular – Coordenação Nacional de Lutas, a Conlutas, fruto de um racha da Central Única dos Trabalhadores (CUT). Hoje, eles juram que controlam três milhões de trabalhadores nos 250 sindicatos e movimentos sociais filiados, incluindo os metroviários de São Paulo, professores universitários, metalúrgicos, rodoviários e operários da construção, a maioria ligada ao funcionalismo público. Para conseguirem êxito, os militantes da Conlutas usam e abusam de ações nada democráticas.

ARRUAÇAS
A pretexto de lutar por melhores salários, o PSTU estabelece o caos e a baderna
A imagem pronta e acabada da disposição desse grupo para atormentar o dia a dia dos brasileiros pôde ser observada durante manifestação contra a Copa na manhã da quinta-feira 12, que ocorreu na porta do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, dirigido por eles, na região do estádio de Itaquera. O protesto reuniu 150 pessoas. O Batalhão de Choque impediu que manifestantes seguissem para a Radial Leste, via de acesso ao estádio. O ato deixou três detidos e seis pessoas feridas. Mascarados atearam fogo a lixeiras e lançaram bombas contra a PM. Dias antes, o mesmo grupo conturbou a rotina de milhões de pessoas ao paralisar as atividades do metrô. Ao fim, sofreu uma fragorosa derrota: 42 pessoas foram demitidas e os metroviários tiveram de voltar ao trabalho. A Justiça determinou o fim da paralisação, fixou multa de R$ 100 mil e R$ 500 mil pelos dias parados antes e depois do julgamento. A multa é aplicada à entidade sindical, mas quem vai pagar são os trabalhadores, de onde vêm os recursos do Sindicato dos Metroviários.
Como os metroviários são funcionários públicos, no final das contas, será a população que vai pagar essas multas geradas pelo desrespeito à Justiça durante a greve.
Os resultados foram desastrosos para toda a população, para o comércio, para o direito de ir e vir das pessoas e para os próprios metroviários.
Mas os cabeças do Sindicato dos Metroviários ganharam visibilidade.
Perturbar a vida das pessoas, com a desculpa de lutar por melhores salários, é a bandeira desse agrupamento. O objetivo é estabelecer o caos e a baderna. Por incrível que pareça, o maior inimigo do PSTU/Conlutas, além da população que sofre com as greves, é outra agremiação de extrema esquerda, a Causa Operária. “A Conlutas é apenas uma organização de fachada, em que não há princípios a se guardar e muito menos um programa político a defender”, acusam os dirigentes da Causa Operária.
PSTU-02-IE-2325.jpg
PREJUÍZOS
A greve dos metroviários foi desastrosa para toda a população,
para o comércio, para o direito de ir e vir das pessoas
PSTU-03-IE.jpg
IEpag47_PSTU.jpgÀ frente do PSTU/Conlutas está o metalúrgico José Maria de Almeida, um fracassado candidato a presidente da República que disputou todos os pleitos desde a redemocratização do País e nunca conseguiu mais que cerca de 80 mil votos. Ex-petista, Almeida é figurinha carimbada nas manifestações desde a década de 1970, quando esteve preso ao lado de Lula em maio de 1980, com base na Lei de Segurança Nacional. Para o PSTU, o PT é o partido a ser batido. “É preciso expropriar as multinacionais e os bancos para conseguir salários, empregos, saúde e educação gratuitos e de qualidade”, prega Almeida. Os eleitores parecem pouco ou quase nada seduzidos por esse discurso. Nas eleições municipais de 2012, o PSTU teve apenas 0,17% dos votos válidos em todo o País. Hoje, o partido só tem dois vereadores eleitos: um em Natal e outro em Belém.
A central sindical ligada ao PSTU também não conseguiu até hoje o número mínimo de sindicatos filiados para ser reconhecida pelo governo. Faltam oito filiações sindicais para ela ter o direito de receber as verbas oriundas do imposto sindical. Mas eles dizem ser contra a taxação. Na prática, os militantes do PSTU/Conlutas acreditam que estão em busca de um Estado Operário e na batalha pela construção de um “exército vermelho”. Dizem eles: “A retomada das mobilizações populares vem demonstrar o caráter internacional das lutas contra o capitalismo. Também reafirma a urgência de uma saída socialista que acabe com toda a exploração e opressão.”
Fotos: Marlene Bergamo/Folhapress; PETER LEONE, MARCOS BEZERRA – FUTURA PRESS 

fonte: Istoé

Nenhum comentário: