Não achou a matéria? Pesquise aqui!

terça-feira, 10 de setembro de 2019

Ford anuncia reestruturação e mais de 250 funcionários entram em greve no interior de SP

Campo de Provas da Ford em Tatuí, no interior de São Paulo — Foto: Divulgação/Ford

Campo de Provas da Ford em Tatuí, no interior de São Paulo — Foto: Divulgação/Ford

Sindicato dos metalúrgicos diz que trabalhadores do Campo de Provas de Tatuí (SP) reivindicam pacote de benefícios para quem for demitido. Paralisação será julgada pela Justiça na próxima semana.


Funcionários do Campo de Provas da Ford, em Tatuí (SP), decidiram nesta sexta-feira (6) continuar com a greve após o anúncio de demissões sem oferta de pacote de benefícios por parte da empresa.


Segundo o presidente do sindicato dos metalúrgicos da cidade, Ronaldo da Mota, são 270 trabalhadores que aderiram à paralisação desde segunda-feira (2).

O motivo, segundo ele, é porque não está sendo oferecido um pacote de benefícios para quem está sendo desligado, como houve em São Bernardo do Campo.

“A empresa anunciou a reestruturação e isso vai gerar demissões. Inicialmente informaram que iriam demitir aproximadamente 20 funcionários visando uma reestruturação para a terceirização dos serviços da montadora. Mas não deram nenhum pacote e sabemos que isso vai levar ao fechamos do campo e provas”, afirma.

Funcionários da Ford entram em greve em Tatuí — Foto: Arquivo Pessoal/Ronaldo da Mota
Funcionários da Ford entram em greve em Tatuí — Foto: Arquivo Pessoal/Ronaldo da Mota

Ainda segundo o presidente do sindicato, a reestruturação se deve aos custos de cada funcionário, que variam entre R$ 9 e R$ 11 mil, comparados ao salário de um terceirizado, que custaria valores próximos de R$ 2 e R$ 3 mil.

Ronaldo explicou ao G1 que os trabalhadores tentaram uma conciliação em uma audiência no Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, em Campinas, mas não houve acordo.

“Nós propomos parar por 90 dias com a greve até dar um tempo para criarem um pacote de benefícios para os funcionários que serão demitidos. Mas não aceitaram. Propomos parar 60 dias e nada também. Então, vamos continuar com a greve”, diz.

Ainda segundo o sindicalista, a empresa entrou com uma liminar para considerar a greve ilegal. A paralisação será julgada pela Justiça na próxima semana.

Em nota, a Ford afirmou apenas que fará uma readequação em seu quadro de funcionários do Campo de Provas de Tatuí como parte do amplo processo de reestruturação organizacional feito pela montadora nos últimos meses.

Com informações da TV TEM

Nenhum comentário:

INSTAGRAM

COMPARTILHE