'Cidade Proibida' concentra 'generais' do PCC, aponta raio-x


Mais temida facção criminosa do Brasil, o PCC (Primeiro Comando da Capital) abriga seus 'generais' na 'Cidade Proibida', de onde lideram a organização que age como uma espécie de 'multinacional' do crime, com ramificações em 23 estados do país e até no exterior.
Mas a 'Cidade Proibida' não se trata de um lugar, o termo refere-se a uma 'patente' dentro das fileiras do grupo.
É a mais alta graduação existente na organização, criada em 1993 no pavilhão anexo à Casa de Custódia de Taubaté, o chamado 'Piranhão'. Também conhecida como a 'Chefia-Geral', a patente reúne 'líderes históricos' da facção.
"Graduação mais alta de hierarquia conhecida na organização criminosa. Atualmente, é composta por alguns dos fundadores 'clássicos' ou 'tradicionais' da organização criminosa, na sua maioria recolhidos em unidades prisionais do estado de São Paulo e/ou em penitenciárias federais", explica o 'Glossário do PCC', documento confidencial produzido pelo setor de inteligência do sistema prisional de Minas Gerais e obtido por OVALE.
O documento obtido pela reportagem tem um dicionário a respeito de termos usados pelos 'irmãos' (como são chamados os integrantes do PCC) e traz informações sobre a facção, que possui uma estrutura organizacional como uma empresa voltada para lucros milionários com tráfico de drogas, assaltos e outros delitos.
SINTONIA.
A estrutura é dividida por 'sintonias' -- como são conhecidos os departamentos da facção.
A 'Sintonia Final' é a principal e concentra a alta patente do PCC -- tem membros de diferentes estados, com o objetivo de analisar 'tratativas da organização em âmbito nacional'.
"Setor correspondente à cúpula da organização criminosa, composta reconhecidamente por sentenciados considerados como os líderes clássicos da organização criminosa, tendo com o mais tradicional, pública e notoriamente, o sentenciado Marcos Willian Herbas Camacho, vulgo Marcola", diz o 'Glossário do PCC'.
Cada estado tem também sua sintonia. Organograma mostra ainda setores responsáveis por drogas, armas, assistência a familiares, 'RH', financeiro, jurídico e outros.
SSP aposta em operações, inteligência e na tecnologia para combater as facções
A Secretaria de Segurança Pública de SP disse que intensificou as ações de combate ao crime organizado este ano, com emprego de inteligência, tecnologia e cooperação entre as polícias Civil e Militar. Desde janeiro, mais de 80 operações foram deflagradas pela Polícia Civil para coibir delitos e prender criminosos. Entre elas, as operações "Welfare" e "Sheik", que levaram à prisão 55 criminosos. "Além disso, a atual gestão transferiu 27 líderes de grupos criminosos para presídios federais, reforçou o policiamento diário", disse a SSP. De janeiro a setembro, 131 toneladas de drogas e 9.676 armas de fogo, sendo 184 fuzis, foram apreendidas.
Macaque in the trees
Multinacional do crime. Sintonia Final é o departamento que reúne a mais alta cúpula da organização criminosa, responsável pela ação nacional e que comanda as sintonias estaduais. Há departamentos como ENTITY_apos_ENTITYProgressoENTITY_apos_ENTITY (tráfico), ENTITY_apos_ENTITYCaixasENTITY_apos_ENTITY (financeiro), ENTITY_apos_ENTITYTrancasENTITY_apos_ENTITY (presos), ENTITY_apos_ENTITYPaiolENTITY_apos_ENTITY (armas), ENTITY_apos_ENTITYGravatasENTITY_apos_ENTITY (advogados), ENTITY_apos_ENTITYRuaENTITY_apos_ENTITY (livres), e outros.

fonte: O Vale

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

Gratidão, Presidente!

Imagens fortes! Gamer mata amiga na vida real, filma, debocha e diz que tinha pacto satânico