Como as ruínas da II Guerra levaram a VW a erguer sua 1ª fábrica no Brasil

Complexo da Anchieta faz 60 anos e foi a primeira fábrica da marca fora da Alemanha. Entenda por que fabricante decidiu se instalar no país

Logo ao assumir o posto de presidente da Volkswagen, numa operação ainda em ruínas após a II Guerra Mundial, Heinz Nordhoff avaliou o “tamanho do buraco” que ele teria de fechar.
Heinz Nordhoff, presidente responsável pela reconstrução da VW após a II Guerra Mundial (Arquivo pessoal/Internet)
Aquilo tudo deveria ter sido demolido, mas o brilhante e insurreto Major Ivan Hirst, das forças de ocupação britânicas, não acatou as ordens e decidiu reconstruir aquela fábrica severamente destruída. Com isto, salvou a VW de ter terminado ali mesmo.
Hirst sequer se preocupou muito com os custos, mas foi aí que Nordhoff voltou à baila: ele teria que batalhar para pagar as dívidas já acumuladas e, mais ainda, lutar para concluir a fábrica que estava longe de pronta.
Não seria com as vendas na Alemanha, combalida por ter perdido uma guerra, que ele resolveria aquela pesada equação.
Solução? Expandir para o exterior, coisa que ele já tinha em seu cardápio de seus tempos de General Motors, aliás de sua filial alemã, a Opel. Nordhoff assumiu a fábrica de Wolfsburg no início de 1948, e logo começou a trabalhar obstinadamente.
A equação foi exportar, mas em muitos países a situação era semelhante: as importações eram restritas pelos incentivos dos respectivos governos à produção local. Aí entrou a solução do CKD, que permitiu o início da montagem do popular Fusca em vários países.
Em 1949, Nordhoff, acompanhado de Friedrich Wilhelm Schultz-Wenk, que futuramente se tornaria chefe das operações da VW no país, viajaram para Argentina e Brasil a fim de assuntar qual dos dois países seria melhor para a instalação de uma eventual nova fábrica na América do Sul.
Quando voltaram à Alemanha, ambos já sabiam que a fábrica seria futuramente construída no Brasil.

 Um dos primeiros registros da chegada de veículos da VW ao Brasil
Um dos primeiros registros da chegada de veículos da VW ao Brasil (Acervo/Internet)
Neste meio tempo surgiu a Brasmotor, que era o braço industrial da Sabrico, e que montava veículos em CKD, como caminhonetes Chrysler.
Nordhoff e Cecil B. Thomas, presidente da divisão de exportações da Chrysler nos EUA, acabaram fechando um acordo pelo qual a Volkswagen iria completar a linha de veículos da Chrysler no Brasil. Logo, Fuscas
A marca alemã colocou a Brasmotor na jogada, para que esta passasse a montar CKD’s do Fusca a partir de 1951. Em 1953, a Volkswagen se estabeleceu na Rua do Manifesto, no bairro do Ipiranga, em São Paulo.
O governo de Juscelino Kubitschek, com seus planos de incentivo para o estabelecimento de fábricas de veículos automotores no país, propiciou condições para o início da construção da Fábrica Anchieta da Volkswagen, no município de São Bernardo do Campo, pertencente à Grande São Paulo.
Fábrica Volkswagen Anchieta


Fábrica fica localizada no pé da rodovia Anchieta (Divulgação/Volkswagen)
Curiosamente, tanto a fábrica da Brasmotor quanto a da Volkswagen ficavam próximas, separadas apenas pela Rodovia Anchieta. Daí o fato de o complexo sexagenário da Volkswagen ser comumente chamado de… “Fábrica Anchieta”.
A escolha do local seguiu critérios de acessibilidade, que previam acesso por rodovia, por via fluvial (havia previsão dos Rio Pinheiros e Tietê serem navegáveis, e o acesso seria pela Billings) e por ferrovia (havia um plano de entrar com um ramal ferroviário na fábrica). De todos esses planos, o que vingou mesmo foi o acesso rodoviário que já existia.
Enquanto Fusca e Kombi eram montados na Rua do Manifesto a partir de 1954, as obras em São Bernardo do Campo começaram em um ritmo alucinante. Não demorou muito para o primeiro prédio ficar pronto: é a atual Ala 2.

A fachada do galpão na Rua do Manifesto, bairro do Ipiranga, em São Paulo (Divulgação/Volkswagen)
De uma maneira muito bem bolada, naquela primeira área pronta da fábrica deu para acomodar uma mini-fábrica, onde foi dada continuidade à montagem dos carros em CKD.
Ao mesmo tempo, já se preparava a fabricação do primeiro veículo Volkswagen considerado nacional pelas regras governamentais vigentes: foi a Kombi, cujo primeiro exemplar brasileiro deixou a linha de montagem em 2 de setembro de 1957.
Aí vem a discussão sobre a idade correta da Fábrica Anchieta, visto que ela só viria a ser inaugurada oficialmente no dia 18 de novembro de 1959, com outras alas prontas e já produzindo dois veículos nacionais, a Kombi e o Fusca.
 
O presidente Juscelino Kubitschek desfilou em um Fusca conversível na inauguração da fábrica, em novembro de 59 (Divulgação/Volkswagen)
Certamente foram restrições de agenda dos presidentes, do Brasil e da Volkswagen, que acabaram definindo a data da inauguração de uma fábrica que, na verdade, já estava funcionando a todo o vapor possível.
Sua fachada de tijolos coloridos e seu projeto inicial remetem à casa matriz de Wolfsburg. Já naquela época o complexo abrigava milhares de funcionários e tinha um trabalho, digamos, analógico – fortemente manual.
As paredes continuam a ser de tijolinhos, mas a fábrica em tempos atuais, já internamente modernizada com centenas de robôs, demonstra saúde muito maior do que, por exemplo, a vizinha Ford, recentemente fechada.
 
A atual fachada da fábrica (Divulgação/Volkswagen)
Isso mostra que todo o sangue, suor e lágrimas de várias gerações de funcionários valeram a pena.
Para quem, como eu, acompanha esta fábrica há tantos anos, resta dizer, e com o orgulho de quem tem batalhado pela história desta empresa no Brasil: feliz aniversário de 60 anos, cara Fábrica Anchieta!
E não esqueçamos que a “nossa” Fábrica Anchieta foi a primeira fábrica da Volkswagen construída fora da Alemanha, outro motivo para o brasileiro se orgulhar dela.
fonte; Quatro Rodas
youtube/Túlio Duarte

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

Gratidão, Presidente!

Imagens fortes! Gamer mata amiga na vida real, filma, debocha e diz que tinha pacto satânico