Conflitos políticos ajudam a elevar risco-país em nações da América Latina

CDS do Chile subiu em novembro,em 2019, região tem melhora, risco do Brasil caiu 80 pontos
Os conflitos políticos e a onda de protestos na América Latina impactaram a percepção de risco nas economias de países da região em novembro. O CDS (Credit Default Swaps), que mede a desconfiança de investidores em relação à economia de 1 país, subiu 14 pontos no Chile de 1º a 22 de novembro, passando de 42 a 56 pontos.
A redução na pontuação significa que os investidores veem menos riscos na economia de uma nação, enquanto que o aumento indica percepção de maior risco. O Chile atravessa momento de convulsão social, com uma série de protestos violentos que teve início ainda em outubro.
O CDS também teve alta no Brasil em novembro, saindo de 118 para 126 pontos. Apesar de o país estar fora da onda de manifestações populares que arrebata também os vizinhos Bolívia, Equador e Colômbia, o Planalto está atento a possíveis movimentações, conforme o próprio presidente Jair Bolsonaro reconheceu neste sábado (23.nov.2019).
O economista Alejandro Urtiz, da Guide Investimentos, destaca a influência do aumento da tensão nos países da América Latina na elevação do CDS em novembro. De acordo com ele, o aumento no risco-país do Brasil também é explicado pela discussão da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que trata sobre prisão após condenação em 2ª Instância.
Urtiz explica que o tema está em alta no Congresso, o que pode comprometer o avanço de medidas econômicas. “As medidas fiscais ficam em 2º plano. Há uma preocupação do mercado com uma possível interrupção do avanço das reformas, porque a prisão em 2ª Instância tomou a atenção dos congressistas”, afirmou.
O economista Flavio Serrano, do Banco Haitong, analisa que, apesar da piora atual do CDS na América Latina, há uma melhora geral na percepção de risco dos países da região. “Os conflitos são 1 tema que precisa ser monitorado. O mercado reagiu a isso, mas também está mais preocupado com as economias domésticas. O problema é lá. Aqui, no Brasil, há uma contaminação, mas não há uma mudança de percepção em relação à política e economia”, disse.
Eis 1 infográfico com a evolução recente do CDS em países da América Latina:

SALDO ANUAL É POSITIVO

Apesar de o último balanço mensal apontar alta do CDS na América Latina, o risco-país de nações da região caiu no acumulado do ano. De janeiro a novembro, houve queda na pontuação de Brasil, Colômbia, México, Peru e Chile.
O movimento de melhora na América Latina foi impulsionado pelo Brasil, que, de janeiro a novembro, melhorou o indicador em 80 pontos. No período, passou de 206 para 126 pontos.
Também registraram diminuição os índices da Colômbia (-68 pontos), México (-62 pontos), Peru (-37 pontos) e Chile (-6 pontos).
No Brasil, o avanço em medidas que ajustam as contas públicas, principalmente a reforma da Previdência, foram essenciais para a redução do CDS, segundo avaliam economistas ouvidos pela reportagem do Poder360.
O economista-chefe da Sulamérica Investimentos, Newton Rosa, associou a melhora à percepção menor de risco dos países com a diminuição de juros internacionais.
A Argentina, que enfrenta dificuldades econômicas no poente governo de Mauricio Macri, foi na contramão e piorou 3.545 pontos. Em janeiro, o CDS estava cotado em 787 pontos. O índice ultrapassou 1.000 pontos em abril e disparou depois que Alberto Fernández venceu as eleições no país. Atualmente, está em 4.332 pontos.
Fernández foi eleito tendo como vice a ex-presidente Cristina Kirchner e a política econômica de ambos não agrada o mercado. O novo presidente argentino assumirá o cargo no próximo 10 de dezembro.

fonte: Poder360

Comentários

POSTAGENS MAIS ACESSADAS

Gratidão, Presidente!

Imagens fortes! Gamer mata amiga na vida real, filma, debocha e diz que tinha pacto satânico