PEÑAROL X CORINTHIANS

Bolsonaro compartilha explicação de jornalista e desmascara vigarice na cobrança do ICMS sobre combustível (veja o vídeo)

Nesta sexta-feira, 07, o presidente da República, Jair Bolsonaro, compartilhou uma explicação e desabafo de um jornalista gaúcho acerca do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no estado do Rio Grande do Sul.
Sobretudo o ICMS dos combustíveis.
“Um pouco mais sobre o preço da gasolina. A matemática sobre o ICMS é semelhante em todo o Brasil”, escreveu o presidente.
O jornalista em questão é Gustavo Victorino, que também é advogado e radialista. O desabafo foi feito durante o programa ‘Pampa Atualidades’ da rede Pampa RS, afiliada da RedeTV.
O programa foi ao ar no começo de 2019, porém mostra com exatidão como é feita a cobrança do ICMS sobre os combustíveis em todos os estados.
“Vou mostrar para vocês como é a composição do preço da gasolina. Ao contrário do que os outros pensam, os 30% do ICMS não é cobrado do valor da gasolina que sai da refinaria. [...] Aí vem a ‘vigarice’, os postos e o consumidor pagam o ICMS não sobre o preço do combustível. É pelo preço que o governo ‘acha’ que será vendido”, exclamou o jornalista.
Gustavo Vitorino ainda salientou que na prática são 70% de impostos cobrados pelos governos estaduais direto sobre o combustível que sai da refinaria.
Por exemplo: Segundo o jornalista, o governo do RS prevê - como referência para cobrança - que o preço final da gasolina deve ser R$4,68 e é sobre esse valor que é cobrado os tais ‘30%’, portanto são cobrados R$1,40 de imposto sobre a gasolina que sai em média a 2,09 das refinarias.
Além do absurdo imposto, ainda tem os demais acréscimos como o transporte e claro a margem de lucro dos empresários donos de postos.
No fim… Quem sempre paga a conta é o consumidor.
É uma guerra totalmente desleal que o presidente Bolsonaro comprou e tentará mudar.
“- João 8:32... e conhecereis a verdade…”, finalizou Bolsonaro.
Confira:
fonte; Jornal da Cidade

Comentários

MAIS LIDAS

Gratidão, Presidente!

Duas histórias degradantes

O estapafúrdio contrato “ultraconfidencial” entre o Butantan e a Sinovac, que não especifica valor entre as partes