SPORT HUANCAYO (PERU) X CORINTHIANS

O que se sabe sobre o novo coronavírus; e o que é desconhecido


Amostra laboratorial do coronavírus, identificado 1º na China


Este sábado (8.fev.2020) marca 1 mês da descoberta do novo coronavírus, que resultou em 1 surto em território chinês e já atingiu outros 24 países. Até esta 6ª feira (7.fev.2020), pelo menos 34,878 foram infectadas e 724 morreram no mundo.
Os sintomas e a mortalidade da nova doença já são conhecidostosse, febre e falta de ar. Esses quadros aparecem de 2 a 14 dias depois da pessoa ter sido exposta ao vírus, de acordo com o centro de controle e prevenção de doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês). Porém, a OMS (Organização Mundial da Saúde) ainda carece de dados de fora da China e de precisão quanto à origem desse coronavírus.
O que se sabe é que 99% dos casos estão concentrados na China continental, sendo a maioria deles na província de Hubei, onde fica a cidade de Wuhan, epicentro da epidemia.
Resultado de imagem para CORONAVÍRUS | COVID-19 O QUE SE SABEFora da China, a preocupação é menor, mas merece atenção. Segundo dados da OMS, foram registrados 27 casos de transmissão entre humanos dentro de outros países, sendo 2 nos Estados Unidos.
Mesmo assim, 22 países já restringiram voos para a China. Segundo Pequim, a medida é 1 “exagero” dessas nações.
As certezas acabam aí. Ainda há muita especulação sobre a origem e a gravidade do novo coronavírus. A suspeita é que o vírus seja originário de morcegos, mas é provável que haja hospedeiros intermediários, que também poderiam infectar humanos.
O tempo para o desenvolvimento da doença também é uma incógnita. Médicos calculam que a incubação de infectados seja de 1 a 12,5 dias. Já o monitoramento de suspeitos pode durar até 14 dias.
Resultado de imagem para CORONAVÍRUS | COVID-19 O QUE SE SABE
Especialistas dizem ainda que, se infectado, 1 ser humano é capaz de transmitir o coronavírus para até 5 pessoas. A média varia de 1,4 a 4,9 infectados via outro indivíduo.
Já a letalidade da doença é variável, e pode ser maior para quem já possui outros problemas de saúde. Levantamento da OMS mostrou que 75% das mortes pelo novo coronavírus acontecem em indivíduos com condições pré-existentes.
Contudo, a maior preocupação dos médicos é quanto a capacidade de transmissão por meio de infectados sem sintomas. O fato de não saber se 1 assintomático é perigoso para a disseminação do vírus levanta questionamentos sobre o grau de restrição de viagens.
Para piorar, a OMS afirmou que apenas 38% dos casos fora da China continental possuem relatório completo. A falta de 1 panorama completo no exterior é uma crítica feita pelo órgão, já que alguns desse casos pouco detalhados são de países de alta renda.

O QUE É O CORONAVÍRUS

O 2019-nCoV pertence à família dos coronavírus (batizados assim devido ao formato semelhante ao de coroas). Eles são conhecidos desde meados da década de 1960 e geralmente circulam apenas entre animais (tais como ratos, morcegos e pequenos mamíferos), mas podem sofrer mutações facilmente e serem transmitidos para humanos.
Esses vírus normalmente provocam doenças respiratórias leves ou moderadas. A maioria das pessoas foi ou será infectada com 1 dos tipos mais comuns de coronavírus ao longo da vida, vindo a apresentar sintomas semelhantes aos de 1 resfriado comum.
Outras variações de vírus dessa família, no entanto, podem causar síndromes respiratórias graves e já provocaram epidemias de alcance mundial, como o surto de Mers, em 2012, e de Sars, em 2003.
Os coronavírus podem ser transmitidos a humanos pelos animais quando há 1 contato muito próximo. Mas também pode haver transmissão de uma pessoa a outra por meio da tosse, espirro, beijo e contato com a saliva –de acordo com as autoridades sanitárias da China.
Ainda não se sabe com que facilidade a nova mutação de coronavírus é transmitida entre humanos. A falta de respostas para essa questão e também para qual seria a origem do 2019-nCoV é 1 dos fatores que tornam difícil prever até onde o surto iniciado em Wuhan pode chegar.
De acordo com o professor de infectologia Vineet Menachery, da Universidade do Texas, o 2019-nCoV já se provou tão mortal quanto o Sars, que infectou mais de 8.000 pessoas e causou em torno de 800 mortes até ser controlado, em 2003. Até hoje, todas as mortes provocadas pelo novo coronavírus ocorreram na China, sendo que a grande maioria das vítimas é composta por idosos.
A Universidade do Nordeste, de Massachussets (EUA), estima que o atual surto de coronavírus deve alcançar aproximadamente 6.000 pessoas ao redor do mundo. No pior dos cenários, ultrapassaria os 10.500 casos. Essas projeções foram feitas com base na análise da evolução do número de casos já confirmados e na simulação de deslocamentos de pessoas para áreas de transmissão ativa do vírus.
Ainda não há nenhum medicamento ou vacina aprovado para atuar especificamente contra o coronavírus chinês –embora já haja pesquisas em curso. Enquanto isso, no Japão e na China, alguns pacientes internados com infecção por 2019-nCoV responderam bem a tratamentos com medicamentos que já estavam disponíveis e receberam alta na última semana.


fonte: Poder360

Comentários

MAIS LIDAS

‘Continuem rezando’, pede mãe de Paulo Gustavo, que segue internado com Covid-19

Gratidão, Presidente!

Duas histórias degradantes