A "farra" da pandemia: Cidadãos de bem presos e nem o CNJ sabe quantos detentos foram soltos (veja o vídeo)

 


Enquanto cidadãos que antes podiam exercer seu direito de ir e vir pelas ruas acabaram ficando isolados em suas casas, presidiários de todo o país tiveram a saída do presídio liberada em março deste ano, em função da pandemia do Covid-19.

A liberação foi decorrência da recomendação do Conselho Nacional de Justiça – CNJ, emitida em 17 de março de 2020, onde foram concedidas saídas temporárias, regime de prisão domiciliar e suspensão da obrigatoriedade da apresentação em juízo.

Estimativas calculam que foram liberados entre 23 mil e 32,5 mil presidiários.

Mas a dúvida é: se não sabem exatamente quantos foram, como sabem onde estão e se retornarão para o término do cumprimento da pena?

Com inúmeros relatos de reincidência de crimes e assassinatos dos presos soltos, fica o questionamento sobre que tipo de controle o poder judiciário tem sobre o paradeiro destas pessoas.

Esse é o assunto tratado pelo jornalista Alfredo Bessow, onde ele expõe as falhas deste procedimento que, visando preservar a saúde dos apenados, pode ter posto em risco a segurança de toda a população.

Confira:

da Redaçãofonte: Jornal da Cidade

Comentários

MAIS LIDAS

Gratidão, Presidente!

Duas histórias degradantes