Maria Flor atriz da Globo - "Agente está com esses militares, cheio de homens, velho, branco e escroto"

 

Um vídeo da atriz Maria Flor viralizou nas redes sociais nesta segunda-feira, 18.

Na gravação, a global se mostra transtornada e, dando chiliques, ataca o presidente Jair Bolsonaro e sai em defesa da petista Dilma Rousseff.

"O que, no meu c*, na minha buce**, são pedaladas fiscais?", esbravejou.

E continuou:

"Agora, o Bolsonaro, o homem tá lá há dois anos. Quer que eu te diga o que ele já tentou fazer? [...] Interferência na Polícia Federal, milícia, o filho dele colocou um monte de gente fantasma pra trabalhar no gabinete no Rio de Janeiro, o homem deixou faltar oxigênio em Manaus e as pessoas morreram, o homem fez pouco caso da pandemia". A atriz ainda aproveitou e tentou “convocar” um impeachment de Bolsonaro citando, inclusive, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. (Odebrecht revela 'valor do passe' de Rodrigo Maia, o 'Botafogo)
"Agora, Rodrigo Maia não sabe se vai impitimar! 'Não, ainda não mandei' [imitando Maia]'. Você, sinceramente, tome juízo nessa sua cabeça, você faça alguma coisa! A grande oportunidade que você tinha era vota essa porr* desse Impeachment", afirmou, aos berros.

Maria Flor ainda disse mais:

"Daí a gente vai ficar com aquele Mourão [vice-presidente], o que a gente vai fazer com aquele homem? Nada! 2021, brother! Por que ainda estamos com esse governo, cheio de militar, de homem velho, branco, escrot* que não vê o outro, que deixa a gente morrer."

E finalizou:

"A revolta está em mim, que eu não consigo mais viver de tanta revolta que eu tenho! Quero rasgar minha roupa e sair pelada, não sei o que eu quero fazer!"

Os internautas, surpresos com tamanha insensatez e transtorno, ironizaram a atriz.

Entre os principais comentários está a hipótese de "abstinência" de Maria Flor.

Confira o vídeo e tire suas próprias conclusões:

Com informações: Jornal da Cidade


LEIA: Época faz ataque gravíssimo ao governo e ao Exército, instituição exige retratação imediata

Comentários

MAIS LIDAS

Gratidão, Presidente!

Duas histórias degradantes

O estapafúrdio contrato “ultraconfidencial” entre o Butantan e a Sinovac, que não especifica valor entre as partes