PEÑAROL X CORINTHIANS

Carros novos, tempo de espera pode chegar a 120 dias, saiba porque

São Paulo -- Concessionários de veículos relatam demora de até 120 dias na entrega de veículos novos, endossando ponto de vista da Fenabrave sobre o reflexo deste quadro nas vendas de janeiro. O momento é visto, pelo mercado, como transitório, com ajuste previsto para quando as montadoras sanarem os descompassos em suas cadeias de fornecedores.

"A demora média é de 120 dias, dependendo do modelo do veículo que é procurado pelo cliente", disse José Wilson, presidente do Grupo Canopus, concessionário BMW, Mini, Caoa Chery, Honda, Nissan, Honda Motos e Toyota nas regiões Norte e Centro-oeste do País. "Não é algo que varia muito de montadora para montadora, uma vez que o descompasso dos fornecedores é algo que atinge a todas."

As fabricantes têm recorrido às conversas com seus distribuidores no sentido de estipular prazos para que as entregas sejam mais ágeis:

"O prazo longo para entrega dos veículos ainda existe e é reflexo da falta de matéria-prima disponível no mercado para produção", disse Dário Monteiro, diretor presidente do Grupo Vecol, concessionário Volkswagen. "Está faltando produto no mercado e a nossa expectativa, após reuniões com a fábrica, é a de que a situação comece a melhorar em meados de abril".

A expectativa para o período dos próximos 120 dias é a de que a rede se articule para segurar os pedidos para, assim, mitigar algo que já acontece: clientes migrando para o mercado de seminovos dado o prazo longo de entrega dos veículos novos.

Para Paulo Cardamone, consultor da Bright, deverão surgir planos de negócios que aumentem a atração do veículo novo no sentido de reter os clientes: "Passamos por um momento de lançamentos, veículos que acabaram de chegar no mercado e que estão com pedidos represados nas concessionárias. Acredito que alguma ação comercial deve surgir para que este cliente, com pressa, consiga permanecer com intenção de compra apesar do prazo longo".

Foto: Freepik.

Com informações: Autodata

Comentários

MAIS LIDAS

Gratidão, Presidente!

Duas histórias degradantes

O estapafúrdio contrato “ultraconfidencial” entre o Butantan e a Sinovac, que não especifica valor entre as partes