Nós queremos o progresso; eles querem o poder... O foco não é vencer a doença, mas derrubar o Presidente

 

Não discuto mais com esquerdistas.

A pandemia serviu pra mostrar que é impossível entrarmos em um consenso.

O motivo é simples: Não buscamos a mesma coisa. Nós queremos o progresso; eles querem o poder. O combate ao COVID no Brasil deixou isso extremamente claro. O foco não é vencer a doença, mas derrubar o Presidente.

E, de verdade, tem que ser muito idiota para não perceber isso. Infelizmente, idiotas existem aos montes.

Agora, aliás, me deparei com um "print" dizendo que "as pessoas estão morrendo porque o Bolsonaro não comprou vacina".

Coisa de demente, que não tem capacidade de se informar através de canais oficiais e fica reproduzindo discurso da extrema-imprensa.

O Brasil é o 5º país que mais vacinou no mundo; 1º lugar entre os países que não possuem uma plataforma própria. Já foram ministradas mais de 13 MILHÕES DE DOSES e, até o final do ano, já estão garantidas 500 MILHÕES. Mais do que o suficiente para as duas doses em TODA A POPULAÇÃO; a 6ª maior do Planeta Terra.

Para se ter ideia da dimensão disso, na Alemanha, com 80 milhões de habitantes, a previsão para vacinação das pessoas na faixa dos 30 anos é em MARÇO DE 2022!

A esquerda NÃO QUER UMA SOLUÇÃO. Ela quer um culpado.

Divulga mortes com uma satisfação mórbida, como se comemorasse uma vitória do seu time. Ela se alimenta do caos, das mazelas sociais. É um abutre, vivendo da miséria. É nisso que seu discurso se sustenta.

O objetivo é claro: Sufocar a economia até quebrar o país, responsabilizar o governo e, ano que vem, se apresentar como a solução dos problemas que criou.

Espero honestamente que o povo não seja tão ingênuo.

"Uma mentira dá uma volta inteira ao mundo antes mesmo de a verdade ter oportunidade de se vestir." (CHURCHILL, Winston)

 

fonte: Com informações: Jornal da Cidade 

Comentários

MAIS LIDAS

Gratidão, Presidente!

Duas histórias degradantes

O estapafúrdio contrato “ultraconfidencial” entre o Butantan e a Sinovac, que não especifica valor entre as partes