SPORT HUANCAYO (PERU) X CORINTHIANS

19 respiradores são encontrados sem uso em hospital do Pará

 

Governo de Helder Barbalho não informou o valor pago pelos equipamento e nem a data de aquisição

Uma vistoria feita no Hospital Regional Abelardo Santos, em Belém, no Pará, descobriu 19 respiradores novos que não estavam sendo utilizados. O caso ocorreu em 22 de março, durante o processo de troca da organização social que administrava a unidade, mas só foi confirmado neste sábado 17 pelo Governo do Estado.

Uma funcionária do hospital afirmou à CNN Brasil que os respiradores estavam atrás de uma parede falsa e que foi preciso quebrar a estrutura para ter acesso aos equipamentos. O governo de Helder Barbalho (MDB) negou a existência de parede falsa e afirmou que uma comissão interna está apurando as razões dos aparelhos não terem sido utilizados até aquele momento.

O hospital, que fica no distrito de Icoaraci, é referência no combate à covid-19 e atendia exclusivamente pacientes com a doença até o último dia 15 de abril. A Secretaria de Estado de Saúde Pública informou que os respiradores foram imediatamente colocados em uso após a realização de uma análise técnica e que o atendimento de pacientes não foi prejudicado.

O governo do Pará não informou o valor pago por equipamento e nem a data de aquisição. Procurada, a organização social Santa Casa de Pacaembu, antiga responsável pela gestão do Hospital Regional Abelardo Santos, não se pronunciou.

A Direção do Instituto de Saúde Social e Ambiental da Amazônia, responsável pela gestão desde o último dia 11 de março informou que “os equipamentos identificados na troca da gestão estavam em uma sala nas dependências do Hospital. Após uma análise técnica, eles, imediatamente, foram colocados em uso, o que possibilitou a abertura de mais Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) exclusivas aos pacientes com a covid-19”.

Com informações: Revista Oeste

Comentários

MAIS LIDAS

‘Continuem rezando’, pede mãe de Paulo Gustavo, que segue internado com Covid-19

Gratidão, Presidente!

Duas histórias degradantes