PEÑAROL X CORINTHIANS

OPINIÃO: O Estado luta contra Deus, para matar a fé

 


A suprema discussão sobre o “direito” aos cultos e missas durante a pandemia é totalmente estéril. A Igreja que enfrentou a peste negra de portas abertas, hoje é atacada pelo Estado ateu e marxista que quer MATAR a Fé.

Apesar da realidade nua e crua, isso faz sentido? Conseguirão? Quando tudo isso começou?

Em 1837, o filósofo Hegel, de tradição protestante, estranhamente propôs um conceito de Estado Laico muito desejado por sociedades secretas - a total separação entre a vida secular e a espiritual. O filósofo Jacques D’hondt (Hegel Secreto) atesta a ligação entre eles.

O objetivo era acabar com as coroação e bênçãos papais, aos reis e governantes. E assim foi feito. A partir do conceito de Hegel, alguns políticos disseram:

"A Igreja não tem autoridade, apenas o Estado”; “Os atos da Igreja precisam ser aprovados pelo Estado”, etc.

O Papa Pio IX (Encíclica Qui pluribus, 1846) combate estas ideias e faz a primeira condenação ao comunismo. Anos depois, ele mesmo alerta na Encíclica Quanta cura (1864) a estratégia de destruir as Escolas Católicas acusadas de serem contrárias à sociedade. E assim foi feito.

Veio o ataque aos Estados Papais, grandes áreas de terras doadas que foram retomadas pelo Estado em 1870, até sobrar apenas o Vaticano (do tamanho de um bairro). O ataque seguinte foi ao matrimônio, sendo criado o casamento civil e o divórcio. E assim foi feito.

Mas é da virada do Século XX até a Primeira Guerra Mundial que vem os mais profundos ataques que se estendem até nossos dias: o modernismo e a destruição da arte, o movimento feminista, a psicologia de Freud (hoje desmascarada), movimento abortista, a Revolução Russa.

Tudo confronta a fé. Igrejas foram destruídas. Mas, elas acabaram? Não.

É preciso entender que a Igreja foi instituída pelo próprio Jesus, o Cristo Senhor - que prometeu:

“As portas do inferno nunca prevalecerão sobre ela.” (Mt 16,18b)

Não é de ordem temporal, nem material. Nasceu do Sangue do Senhor, no Calvário. Apresentou-se ao mundo, no Dia de Pentecostes. Não se submete aos caprichos humanos, pois tem origem e sustentação divinas.

Os Apóstolos Pedro e João, presos pelo Sinédrio por reunir multidões para anunciar o Cristo, responderam aos Chefes dos Sacerdotes:

“Julgai se é justo, aos olhos de Deus, obedecer mais a vós do que a Deus.” (At 4,19b)

O Sinédrio ainda foi alertado por Gamaliel a respeito dos Apóstolos:

“Se o intento ou obra (deles) provem dos homens, se destruirá por si mesma; se vem de Deus, porém, não podereis destruí-los. Não aconteça que vos encontreis movendo guerra a Deus”. (cf. At 5,38-39)

A Igreja foi construída sobre o sangue dos mártires. Cristãos - como falou o AGU, André Mendonça - não matam, mas estão dispostos a morrer por sua fé no Cristo Senhor.

Se os governantes enviarem tropas armadas, com fuzis e metralhadoras, diante das Igrejas; se dispararem contra a multidão “aglomerada em Nome de Cristo”, certamente verão reflorescer a Fé e o Cristianismo, como há muito tempo não se via.

Tentem fazer isso, senhores. Apenas tentem...

Com informações: Jornal da Cidade online

Comentários

MAIS LIDAS

Gratidão, Presidente!

Duas histórias degradantes

O estapafúrdio contrato “ultraconfidencial” entre o Butantan e a Sinovac, que não especifica valor entre as partes