quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

Metade das indústrias reclama que falta mão de obra qualificada no Brasil

91% têm ações para o problema, 50% têm dificuldade para contratar, Empecilho mesmo com alta oferta, desocupação atinge 11,6 milhões
Mesmo com a disponibilidade de mão de obra decorrente do desemprego que aflige 1 a cada 10 brasileiros, metade das indústrias brasileiras (50%) afirma ter dificuldade para encontrar trabalhadores qualificados no mercado. Os dados são de pesquisa da CNI (Confederação Nacional da Indústria) divulgada nesta 3ª feira (10.fev.2020).
O percentual é menor que em 2013 e em 2011, quando 66% das indústrias afirmaram ter esse tipo de problema. Na época, a taxa de desemprego estava em 7%. Hoje, a desocupação é a realidade para 11,6 milhões de brasileiros, o equivalente a 11% da população em idade produtiva (acima de 14 anos).
O levantamento foi feito de 1º a 11 de outubro de 2019, com 1.946 indústrias de transformação e extrativas brasileiras. Dessas, 794 são pequenas, 687 são médias e 465 são de grande porte. Eis a íntegra do estudo (1 MB).
O Centro-Oeste é a região com o maior percentual de empresas que se queixam da falta de profissionais qualificados:
  • 55% – Centro-Oeste;
  • 54% – Sul;
  • 52% – Nordeste;
  • 50% – Norte;
  • 48% – Sudeste.
O setor de biocombustíveis é aquele com maior percentual de indústrias que disseram ter dificuldades em encontrar mão de obra no mercado (70%).
Diante das dificuldades para encontrar profissionais com conhecimento necessário para o trabalho, 91% das indústrias que disseram ver na falta de mão de obra qualificada 1 problema informaram também adotar políticas e ações para contornar esse cenário. A principal ação mencionada é a capacitação do trabalhador:
  • 85% – realizam capacitação na própria empresa;
  • 42% – realizam capacitação fora da empresa (cursos externos);
  • 28% – fortalecem a política de retenção do trabalhador (salários e benefícios);
  • 23% – realizam parcerias com instituições de ensino;
  • 23% – investem em automação;
  • 16% – terceirizam etapas do processo de fabricação;
  • 15% – recrutam profissionais de outras regiões do país;
  • 6% – terceirizam etapas do processo de administração;
  • 2% – desenvolvem políticas agressivas de contratação de profissionais de outras empresas;
  • 1% – recrutam profissionais de outros países.

fonte: Poder 360

Nenhum comentário:

Arquivo do blog