Postagem em destaque

Em busca de soluções para horticultura? A Agrishow 2019 tem!

A Agrishow aumentou. E esse crescimento foi causado pela ampliação na Arena de Demonstrações de Campo. Chamada de Espaço HF, são mais de ...

Não achou a matéria? Pesquise aqui!

terça-feira, 16 de abril de 2019

Robôs assumem lugar de engenheiros e aceleram desenvolvimento de um carro


Robô capaz de abrir e fechar a porta milhares de vezes (Reprodução/Internet)


Novas tecnologias: máquinas usadas pela indústria substituem o ser humano com precisão e repetitividade nos testes de campo e laboratório

As fábricas de automóveis foram as primeiras a empregar robôs de forma intensiva nas linhas de produção. Isso foi em meados dos anos 70.
Por isso, quando se fala em robôs na indústria hoje em dia, logo vem à mente aqueles enormes braços usados para transportar, encaixar e soldar peças com movimentos sincronizados.
Atualmente, porém, as tarefas desempenhadas pelos robôs na indústria automobilística vão muito além das ligadas à produção.



Braço mecânico simula o senta e levanta e até o suor do motorista
Agora, os robôs participam também do desenvolvimento dos novos modelos, dirigindo protótipos em avaliações de campo e realizando testes de qualidade dos mais diversos tipos.
O robô pode ainda girar o volante (Reprodução/Internet
Aqui reunimos alguns exemplos. Nas pistas de testes, os robôs substituem engenheiros e técnicos nos ensaios repetitivos, cansativos e arriscados, com precisão e de modo contínuo, em quaisquer condições climáticas, incluindo testes noturnos.
Nos laboratórios, eles reduzem o tempo de desenvolvimento ao acelerar testes de durabilidade, simulando situações que levariam anos em condições de uso real.

Piloto de aço

A inglesa AB Dynamics oferece robôs capazes de controlar sistemas específicos como direção, pedais e câmbio. Eles podem funcionar em conjunto, assumindo inteiramente o veículo e cumprindo rotinas predefinidas pelas engenharias.
O controlador da direção é capaz de realizar medições de comportamento dinâmico, ângulos de esterço e contraesterço e durabilidade do sistema, entre outros.



Uns acionam os pedais do carro… (Reprodução/Internet)
O de pedais pode registrar forças aplicadas, deslocamento dos pedais, pressão nas linhas de freios e a aceleração e a desaceleração do veículo. O de câmbio participa das avaliações de desempenho, reações e tempos de respostas.

Suando a camisa

Há vários tipos de robôs para testar a durabilidade dos bancos.
A alemã Kübrich dispõe de um robô que testa os movimentos dos ajustes (longitudinais e verticais) do assento, da inclinação do encosto, bem como os esforços laterais aplicados pelo peso dos ocupantes.
A também alemã Kuka tem um robô que avalia a durabilidade da espuma e dos revestimentos simulando movimentos de senta e levanta dos ocupantes e aplicando peso e provocando atrito.
Batizado de Robutt, esse robô tem ainda uma especificidade desenvolvida pela Ford, que é a reprodução de transpiração (com a aplicação de vapor de água aquecido), como se o usuário acabasse de vir de uma corrida no parque ou da academia.

Abre e fecha sem parar

 


Equipamento testa os ajustes do banco (Reprodução/Internet)
Dotados de central eletrônica, robôs de diferentes marcas utilizam atuadores, sensores e braços mecânicos para testes de durabilidade de uma grande variedade de componentes, geralmente fazendo trabalhos repetitivos.
fonte: Quatro Rodas

Nenhum comentário:

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

COMPARTILHE