ANUNCIE SEU PRODUTO - e-mail net4eduardo@gmail.com - Apoio crescente ao general Mourão aumenta tensão nos quartéis - ANUNCIE SEU PRODUTO - email net4eduardo@gmail.com - Após zerar testes de colisão, Onix terá reforços estruturais - Minístro da Fazenda Henrique Meirelles é hostilizado em Nova York, assista

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Brasília vira praça de guerra, o caos foi instalado

Manifestante com cabeça ferida durante protesto contra o governo do presidente Michel Temer, em Brasília (Foto: Ueslei Marcelino/Reuters)


Tumulto no protesto intitulado Ocupa Brasília, nesta quarta-feira, 24 de maio, pela saída do presidente Michel Temer: houve confronto entre manifestantes e a Polícia Militar, depredações na Esplanada dos Ministérios e feridos.

Confronto entre policiais e manifestantes durante protesto contra o presidente Michel Temer, em Brasília  (Foto: Ueslei Marcelino/Reuters)

 À tarde, o Governo Temer autorizou a convocação das Forças Armadas para conter as manifestações e deu ordem para esvaziar prédios da Esplanada dos Ministérios. O protesto, liderado por movimentos sociais de esquerda, reunia pela primeira vez em uma década centrais sindicais que costumavam ficar de lados opostos — a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Força Sindical. Os milhares de manifestantes que marcharam desde o estádio Mané Garrincha até o Congresso Nacional também protestavam contra as reformas Trabalhista e da Previdência e em defesa de eleições diretas antecipadas para presidência da República. Houve bate boca entre entre deputados federais da oposição e da base governista, em mais um sinal do agravamento da crise política do Brasil.


O ministro da Defesa, Raul Jungmann, que foi escalado pelo presidente Michel Temer para dar a resposta do governo às manifestações que acontecem nesta quarta-feira, 24, em Brasília, anunciou nesta tarde que está decretada uma ação de Garantia da Lei e da Ordem e, com isso, tropas federais passarão a reforçar a segurança na região da Esplanada dos Ministérios.
Manifestantes durante protesto contra o governo do presidente Michel Temer, em Brasília (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Segundo Jungmann, a decisão de Temer foi tomada após solicitação do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e também por conta da violência registrada nas manifestações de hoje em Brasília.
“Atendendo à solicitação do senhor presidente da Câmara, Rodrigo Maia, mas também levando em conta fundamentalmente que uma manifestação que estava prevista como pacífica, ela degringolou na violência, no vandalismo, no desrespeito, na agressão ao patrimônio público, na ameaça às pessoas – muitas delas servidores que se encontram aterrorizados e que estamos neste momento garantindo a sua evacuação – o senhor presidente da República decretou, repito por solicitação do presidente da Câmara, uma ação de garantia da Lei e da Ordem”, anunciou Jungmann ao lado do ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Sergio Etchegoyen.
Manifestantes entram em choque com a polícia durante protesto contra o governo do presidente Michel Temer, em Brasília (Foto: Mateus Bonomi/AFP)
Segundo Jungmann, Temer fez questão de ressaltar que “é inaceitável a baderna e o descontrole”. “Ele não permitirá que atos como este venham a turbar um processo que se desenvolve de forma democrática e com desrespeito às instituições”, finalizou.
Jungmann deixou o pronunciamento, feito no Salão Leste do Planalto, sem responder sobre a ausência do ministro da Justiça, Osmar Serraglio, e também nem sobre quantos homens serão deslocados para Brasília.
Rodrigo Maia
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), reiterou em entrevista que solicitou apenas a ajuda da Força Nacional e não do Exército para conter os protestos na Esplanada. “De fato o ambiente na Esplanada era grave e para garantir a segurança tanto dos manifestantes quanto daqueles que trabalham nos ministérios e na Câmara, eu fui ao presidente e conversei com ele porque achava que a Força Nacional pudesse colaborar junto com a Polícia do governo do Distrito Federal”, explicou.
Maia disse que se o governo agiu de outra forma, foi uma decisão exclusiva do Executivo. “Se o governo encaminhou algo maior, aí é uma posição do governo”, respondeu. O deputado afirmou que o clima de conflagração no plenário se deve porque um lado quer obstruir e outro quer trabalhar. “Acho que o importante é manter a garantia de segurança”, reforçou.
Neste momento a sessão está suspensa. A oposição está reunida na liderança do PDT para traçar estratégia para impedir a retomada da sessão plenária. Já os governistas foram para o gabinete da presidência da Câmara.
Fim das manifestações
Terminou por volta das 18h30 desta quarta-feira, 24, na Esplanada dos Ministérios, a manifestação contra as reformas e o presidente Michel Temer, que durou cerca de seis horas. Os últimos militares a deixarem o gramado foram de um grupo da cavalaria da Polícia Militar do Distrito Federal. Homens do Corpo de Bombeiros apagavam as últimas fogueiras acessas pelos manifestantes, que foram acuados em meio a bombas e carros do choque até a rodoviária da cidade, onde, até o início da noite ainda havia grupos protestando e polícia em volta. Militares do Exército fazem, neste momento, a segurança da Esplanada e dos prédios públicos.
A manifestação pode não ter sido a mais violenta da cidade. Em 20 de julho de 2013, na onda de manifestações que surpreendeu o governo Dilma Rousseff, a polícia de Brasília deu início à tática de dispersar multidões com bombas. Na ocasião, o prédio do Ministério das Relações Exteriores foi invadido e o do Ministério da Saúde depredado pelos manifestantes. O protesto de hoje pode também não ter sido o maior. Em 16 de março de 2016, cerca de 100 mil manifestantes, segundo números da Polícia Militar, ocuparam a Esplanada para pedir o impeachment de Dilma.
A manifestação desta quarta-feira, a maior contra Temer, foi marcada, porém, pela presença da Força Nacional de Segurança, um grupo militar que costuma não atuar na capital, e por homens do Exército e até da Marinha, que atuaram nas áreas em volta dos prédios dos ministérios. Chamou atenção também o aparato e o clima de tensão no Palácio do Planalto. A segurança da Presidência chegou a colocar 30 homens do batalhão da guarda presidencial com escudos em cima da rampa, um símbolo da política e arquitetura da cidade.
Organizado por diferentes entidades sindicais e políticas, o protesto foi marcado ainda pela fragmentação dos discursos. Enquanto um carro de som pedia para manifestantes resistirem às ações da Polícia, outros faziam apelo para que o público recuasse diante das bombas. A tática da polícia de dispersar a multidão foi a mesma de protestos passados, houve lançamento de bombas no grosso da multidão que estava no gramado entre os prédios do Itamaraty e do Ministério da Justiça, mais acima do gramado do Congresso.
Silêncio
Pela manhã, interlocutores do presidente Michel Temer estavam pregando o silêncio em relação às manifestações. Auxiliares do presidente diziam que era preciso esperar para ver a adesão e o desenrolar dos fatos. No entanto, após os episódios de violência e de registro de incêndios da Esplanada, auxiliares avaliaram que havia ficado insustentável o silêncio. E, então, o governo escalou Jungmann e Etchegoyen para se manifestarem. Serraglio, na última greve geral no fim de abril, tinha sido o escolhido do Planalto para comentar os protestos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

RANCHO D' AJUDA

POSTAGEM EM DESTAQUE

Volkswagen antecipa retorno do terceiro turno no ABC

AS MAIS VISTAS

Seguidores

COMPARTILHAR POSTAGENS