Postagem em destaque

Fique atento! Criminosos disfarçados de funcionários da EDP aplicam golpes em São José, SP

Criminosos disfarçados de funcionários da EDP, concessionária de energia que atende 19 cidades da região, aplicam golpes em clientes em ...

quinta-feira, 29 de março de 2018

‘Lula quis transformar Brasil num galinheiro, agora colhe ovos’, diz Bolsonaro

Bolsonaro ganhou uma espécie de “faixa presidencial” dos apoiadores que o aguardavam no saguão do Afonso Pena. | Gazeta do Povo

O deputado e pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL-RJ) chegou ao Paraná no fim da manhã desta quarta-feira (28). Foi recebido por uma multidão de apoiadores no saguão de desembarque do Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.


Carregado para o lado de fora do terminal, Bolsonaro falou do alto de um caminhão de som, vestindo uma espécie de faixa presidencial que ganhou de simpatizantes.
“Com todo respeito aos sargentos e coronéis, mas o Brasil vai ter um capitão eleito ano que vem”, disse o deputado. “Não adianta querer criar rótulos contra a minha pessoa, porque eles podem me chamar de tudo, menos de corrupto.”
No discurso, Bolsonaro defendeu que a Polícia Militar “atire para matar” em defesa do povo, e falou contra o desarmamento da população.
“Podem ter certeza, os nossos homens de segurança, quando cumprirem uma missão, serão condecorados e não mais processados. Eu quero uma Polícia Militar que, em defesa do povo, atire para matar”, disse. “E para o povo brasileiro nós queremos também o direito à legítima defesa. Sem história de desarmar vocês e deixar os vagabundos soltos muito bem armados por aí.”
Bolsonaro também fez referências aos ataques sofridos pela caravana do ex-presidente Lula – que será encerrada com um ato em Curitiba, na Praça Santos Andrade, a partir das 17 horas desta quarta.
“O Lula quis transformar o Brasil num galinheiro, agora esse crápula colhe ovos pelo Brasil todo”, disse Bolsonaro, em referência aos ataques sofridos pela caravana do ex-presidente. “Agora eles vão ver a direita. E podem ter certeza, vão levar um cruzado da direita em outubro”.
“Vamos mostrar que o Brasil é nosso. Nós somos a maioria. Vamos fazer valer a força da família e a força das polícias militares que vão ter retaguarda jurídica para trabalhar”, prosseguiu o pré-candidato. Em seguida, ele defendeu a impressão dos votos na eleição. “Não podemos aceitar eleições sem o voto impresso. Chega de fraude na política. Com o voto impresso, eles vão perder em primeiro turno.”
Na despedida do aeroporto, Bolsonaro mandou “um beijo nas mulheres e um abraço hetero nos homens”. O presidenciável não falou com a imprensa.
/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/03/28/Republica/Imagens/Cortadas/Bolsonaro Aeroporto Beatriz Pozzobon 2-kfwE-U203199451686RCC-1024x576@GP-Web.jpg
Bolsonaro fala do alto de um caminhão ao lado do terminal de passageiros do Afonso Pena.
Beatriz Pozzobon
Especial para a Gazeta do Povo

Depois de deixar o aeroporto, Bolsonaro seguiu em carreata em direção ao centro de Curitiba, para almoçar no restaurante Batel Grill. Inicialmente, a equipe que o recebeu afirmou que ele almoçaria no Mercado Municipal. Depois, mudou de planos.
Às 15 horas o pré-candidato participa de um evento de seu partido, o PSL, e depois segue para Ponta Grossa, segundo informações da assessoria do deputado federal Fernando Francischini (PSL-PR), que organiza a recepção. Bolsonaro retorna à capital na quinta (29), para um almoço no restaurante Madalosso, em Santa Felicidade.
Vestidos de verde e amarelo ou com camisetas com a inscrição “Bolsonaro Presidente”, apoiadores esperavam Bolsonaro no saguão de desembarque do Afonso Pena aos gritos de “mito, mito”, “Lula na cadeia”, “eu vim de graça”, “Viva Sergio Moro”. A certa altura, cantaram o Hino Nacional.
Havia membros de grupos como Movimento Brasil Livre (MBL), Vem Pra Rua, Lava Togas, Brasil Estou Aqui e Amigos da Lava Jato, entre outros.
O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidenciável, e o ator Alexandre Frota, apareceram no saguão pouco antes da chegada do pré-candidato.
Daniel de Almeida, coordenador estadual do Movimento Brasil, carregava um novo boneco inflável: o “Bolsomito”. Almeida é um dos criadores do boneco “Pixuleco”, que apresenta o ex-presidente Lula em roupas de presidiário.
/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/03/28/Republica/Imagens/Cortadas/10aa5dec-2491-40dc-b589-74e4ead00078-kGKF-ID000002-1024x682@GP-Web.jpg

 Daniel de Almeida
 e seu “Bolsomito”, boneco inflável em homenagem a Bolsonaro.
Gazeta do Povo
Segundo o coordenador do Movimento Brasil, foram tomados todos os cuidados junto à Justiça Eleitoral para não criar campanha antecipada. Por isso, boneco foi feito com uma caricatura e não uma foto. Esse é o primeiro evento “oficial” que o Bolsomito aparece.
/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/03/28/Republica/Imagens/Cortadas/36dc4ff6-a1f4-4189-9d8f-c4fccb5cf365-kfwE-U203199451686CDG-1024x682@GP-Web.jpg
Um dos apoiadores de Bolsonaro no saguão, Anderson Leithardt foi fantasiado de “Lula presidiário”. “Vim com essa fantasia pra pedir a prisão do Lula”, disse.

fonte: Gazeta do Povo
Postar um comentário

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

COMPARTILHE