Postagem em destaque

Polícia procura médico que fez procedimento estético em mulher

Uma paciente que passou por um procedimento estético com o médico Denis Furtado, conhecido como Dr. Bumbum, prestou depoimento na Polícia...

quinta-feira, 29 de março de 2018

‘Lula quis transformar Brasil num galinheiro, agora colhe ovos’, diz Bolsonaro

Bolsonaro ganhou uma espécie de “faixa presidencial” dos apoiadores que o aguardavam no saguão do Afonso Pena. | Gazeta do Povo

O deputado e pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL-RJ) chegou ao Paraná no fim da manhã desta quarta-feira (28). Foi recebido por uma multidão de apoiadores no saguão de desembarque do Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.


Carregado para o lado de fora do terminal, Bolsonaro falou do alto de um caminhão de som, vestindo uma espécie de faixa presidencial que ganhou de simpatizantes.
“Com todo respeito aos sargentos e coronéis, mas o Brasil vai ter um capitão eleito ano que vem”, disse o deputado. “Não adianta querer criar rótulos contra a minha pessoa, porque eles podem me chamar de tudo, menos de corrupto.”
No discurso, Bolsonaro defendeu que a Polícia Militar “atire para matar” em defesa do povo, e falou contra o desarmamento da população.
“Podem ter certeza, os nossos homens de segurança, quando cumprirem uma missão, serão condecorados e não mais processados. Eu quero uma Polícia Militar que, em defesa do povo, atire para matar”, disse. “E para o povo brasileiro nós queremos também o direito à legítima defesa. Sem história de desarmar vocês e deixar os vagabundos soltos muito bem armados por aí.”
Bolsonaro também fez referências aos ataques sofridos pela caravana do ex-presidente Lula – que será encerrada com um ato em Curitiba, na Praça Santos Andrade, a partir das 17 horas desta quarta.
“O Lula quis transformar o Brasil num galinheiro, agora esse crápula colhe ovos pelo Brasil todo”, disse Bolsonaro, em referência aos ataques sofridos pela caravana do ex-presidente. “Agora eles vão ver a direita. E podem ter certeza, vão levar um cruzado da direita em outubro”.
“Vamos mostrar que o Brasil é nosso. Nós somos a maioria. Vamos fazer valer a força da família e a força das polícias militares que vão ter retaguarda jurídica para trabalhar”, prosseguiu o pré-candidato. Em seguida, ele defendeu a impressão dos votos na eleição. “Não podemos aceitar eleições sem o voto impresso. Chega de fraude na política. Com o voto impresso, eles vão perder em primeiro turno.”
Na despedida do aeroporto, Bolsonaro mandou “um beijo nas mulheres e um abraço hetero nos homens”. O presidenciável não falou com a imprensa.
/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/03/28/Republica/Imagens/Cortadas/Bolsonaro Aeroporto Beatriz Pozzobon 2-kfwE-U203199451686RCC-1024x576@GP-Web.jpg
Bolsonaro fala do alto de um caminhão ao lado do terminal de passageiros do Afonso Pena.
Beatriz Pozzobon
Especial para a Gazeta do Povo

Depois de deixar o aeroporto, Bolsonaro seguiu em carreata em direção ao centro de Curitiba, para almoçar no restaurante Batel Grill. Inicialmente, a equipe que o recebeu afirmou que ele almoçaria no Mercado Municipal. Depois, mudou de planos.
Às 15 horas o pré-candidato participa de um evento de seu partido, o PSL, e depois segue para Ponta Grossa, segundo informações da assessoria do deputado federal Fernando Francischini (PSL-PR), que organiza a recepção. Bolsonaro retorna à capital na quinta (29), para um almoço no restaurante Madalosso, em Santa Felicidade.
Vestidos de verde e amarelo ou com camisetas com a inscrição “Bolsonaro Presidente”, apoiadores esperavam Bolsonaro no saguão de desembarque do Afonso Pena aos gritos de “mito, mito”, “Lula na cadeia”, “eu vim de graça”, “Viva Sergio Moro”. A certa altura, cantaram o Hino Nacional.
Havia membros de grupos como Movimento Brasil Livre (MBL), Vem Pra Rua, Lava Togas, Brasil Estou Aqui e Amigos da Lava Jato, entre outros.
O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidenciável, e o ator Alexandre Frota, apareceram no saguão pouco antes da chegada do pré-candidato.
Daniel de Almeida, coordenador estadual do Movimento Brasil, carregava um novo boneco inflável: o “Bolsomito”. Almeida é um dos criadores do boneco “Pixuleco”, que apresenta o ex-presidente Lula em roupas de presidiário.
/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/03/28/Republica/Imagens/Cortadas/10aa5dec-2491-40dc-b589-74e4ead00078-kGKF-ID000002-1024x682@GP-Web.jpg

 Daniel de Almeida
 e seu “Bolsomito”, boneco inflável em homenagem a Bolsonaro.
Gazeta do Povo
Segundo o coordenador do Movimento Brasil, foram tomados todos os cuidados junto à Justiça Eleitoral para não criar campanha antecipada. Por isso, boneco foi feito com uma caricatura e não uma foto. Esse é o primeiro evento “oficial” que o Bolsomito aparece.
/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/03/28/Republica/Imagens/Cortadas/36dc4ff6-a1f4-4189-9d8f-c4fccb5cf365-kfwE-U203199451686CDG-1024x682@GP-Web.jpg
Um dos apoiadores de Bolsonaro no saguão, Anderson Leithardt foi fantasiado de “Lula presidiário”. “Vim com essa fantasia pra pedir a prisão do Lula”, disse.

fonte: Gazeta do Povo

COMPARTILHE

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

Scorpions - The Concert Live in Munich - Show Completo

Flagra! Chevrolet Spin renovada é vista disfarçada antes da estreia