Postagem em destaque

Fique atento! Criminosos disfarçados de funcionários da EDP aplicam golpes em São José, SP

Criminosos disfarçados de funcionários da EDP, concessionária de energia que atende 19 cidades da região, aplicam golpes em clientes em ...

terça-feira, 25 de setembro de 2018

APOIO DE PESO: Washington Post compara Bolsonaro a Trump e destaca peso do apoio evangélico

Resultado de imagem para Washington Post Bolsonaro

Para jornal americano, pré-candidato brasileiro e presidentes dos EUA tem perfil semelhante e contam com muitos votos entre eleitores evangélicos

O Brasil tem um político do estilo de Donald Trump, o presidente dos Estados Unidos, e que poderia aproveitar o apoio de um grupo importante, os evangélicos, para alavancar sua candidatura à presidência. É essa a leitura do deputado federal e presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ) feita em uma longa reportagem do The Washington Post, publicada na terça-feira (28).

Na avaliação do jornal, os escândalos de corrupção que derrubaram vários políticos brasileiros impulsionaram alguns candidatos e acabaram fazendo com que os eleitores considerassem outros perfis que não estavam no páreo, como Bolsonaro. O trunfo do deputado é poder contar com o apoio dos evangélicos, um grupo que se tornou politicamente poderoso nos últimos anos.
O jornal compara a aceitação de Trump nesse mesmo grupo. Nos Estados Unidos, o republicano obteve quase 80% dos votos de brancos evangélicos. E o Post faz questão de lembrar que Trump era o candidato que havia sido casado por três vezes e que se gabava de ter relações sexuais com diversas mulheres casadas, além de assediar outras.
No quesito polêmica, a publicação lembra da declaração de Bolsonaro que afirmou preferir um filho morto do que um filho gay, suas costumeiras defesas do regime militar e da tortura, e do caso em que disse à colega deputada Maria do Rosário (PT-RS) que ela não “merecia” ser estuprada.
Resultado de imagem para washington post bolsonaro
Bolsonaro concedeu entrevista ao Post. O jornal lembrou que ele, assim como Trump, é descrito como homofóbico, racista e sexista. “O povo americano não engoliu isso, e ele [Trump] foi eleito. No Brasil, algo parecido está acontecendo. Tenho sofrido essas acusações por mais tempo do que ele”, afirmou o presidenciável brasileiro.
Apesar de parecidos no quesito polêmica, a diferença entre Trump e Bolsonaro pode aparecer justamente por causa do perfil dos evangélicos brasileiros e norte-americanos. O sociólogo Paul Fresto, especialista em pentecostalismo na América Latina, afirmou ao Post que a influência evangélica no Brasil é indiscutivelmente mais poderosa do que nos Estados Unidos.
Isso porque os americanos até se reúnem em nível popular para questões conservadoras, como o aborto, mas fazem parte de um movimento fragmentado e sem lideranças. No Brasil o quadro é oposto: as grandes igrejas podem realmente se envolver politicamente e obter apoio para candidatos que levantem bandeiras que as interessem, independentemente do partido a que pertencem. “Em ambos os países, dizem os observadores, os pentecostais e outros evangélicos estão dispostos a votar em candidatos que acreditam que se concentrarão em suas prioridades”, analisa o Post.
Essas diferenças foram explicitadas quando o jornal americano entrevistou o pastor Silas Malafaia, um dos líderes da Assembleia de Deus. Para ele, os evangélicos brasileiros estão mais interessados nas propostas de Bolsonaro e João Doria, o prefeito tucano de São Paulo. Por outro lado, o pastor argumenta que esse mesmo público não se identifica tanto com Marina Silva, a presidenciável da Rede, que é evangélica. “Eles pensam que ela tem algo a esconder, então eles não confiam nela. Você não pode ser evangélico e separar isso da sua política”, afirmou Malafaia.
O jornal ainda apontou o peso da bancada BBB – boi, bala e bíblia – no Congresso: a união de parlamentares de vários partidos para defender questões ligadas à segurança, agronegócio e de costumes é algo comum no Brasil, mas que não se repete nos Estados Unidos. “Eles formaram seu próprio bloco de votação no Congresso, passando de uma minoria a um dos grupos políticos mais poderosos”, sinaliza o Post.
Com essa proeminência, é possível que o voto evangélico tenha mais peso ainda nas eleições de 2018 – ainda que, pondera o jornal, políticos evangélicos como Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados e responsável por conduzir o impeachment de Dilma Rousseff, esteja atualmente preso – condenado por corrupção.

fonte:https://www.jornaldopais.com.br/apoio-de-peso-washington-post-compara-bolsonaro-trump-e-destaca-peso-do-apoio-evangelico/
Postar um comentário

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

COMPARTILHE