Postagem em destaque

No trecho do Vale caminhoneiros também fazem protestos na Dutra

Caminhoneiros fizeram protestos e chegaram a bloquear a Dutra na madrugada desta segunda-feira (10) no trecho do Vale do  Paraíba. Segund...

domingo, 30 de setembro de 2018

Corregedor afasta juiz que planejava determinar o recolhimento das urnas para perícia

Às vésperas do 1º turno, o corregedor nacional da Justiça, ministro Humberto Martins, abriu nesta 6ª feira (28.set.2018) uma reclamação disciplinar (íntegra) contra o juiz Eduardo Luiz Rocha Cubas e determinou o afastamento do magistrado.
A medida disciplinar foi requerida pela AGU (Advogacia Geral da União). Segundo o órgão, o magistrado, que atua no Juizado Especial Federal Cível de Formosa (Goiás), pretendia conceder uma liminar em 5 de outubro, 2 dias antes do 1º turno, para que o exército recolhesse as urnas eletrônicas a serem utilizadas no pleito deste ano. O caso será analisado pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça) na próxima sessão do órgão, em 9 de outubro. Leia a íntegra da reclamação da AGU
A AGU explica que a liminar seria concedida no âmbito de uma ação popular que questiona a segurança e a credibilidade das máquinas usadas no dia da votação.
O juiz Eduardo Cubas já havia determinado preliminarmente na última 4ª feira (26.set.2018), que o Comando do Exército indicasse 1 militar com patente de oficial ou uma equipe apta a participar de “eventual perícia sobre as urnas”. A informações são do Conjur-EB (Consultoria Jurídica Adjunta ao Comando do Exército), órgão consultivo a AGU.
Cubas se reuniu no quartel-general do Exército, na 3ª feira (25.set). Na ocasião, o magistrado deixou uma cópia da decisão que proferiria no caso.
O juiz já havia questionado a credibilidade das urnas eletrônicas. Em vídeo publicado no YouTube em novembro de 2017, o magistrado aparece ao lado do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do candidato à Presidência Jair Bolsonaro, na frente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) questionando a segurança do processo eleitoral.
“A partir de 1 evento que nós organizamos de cidadania, alguns técnicos de informática e cientistas da área nos procuraram e vieram com elementos que comprovam a absoluta falta de segurança”, diz Cubas. Em outro trecho, ele alega que o projeto de autoria de Jair Bolsonaro que determina a impressão dos votos “é 1 elemento crucial na segurança do sistema. [Mas] parece que está tendo uma certa resistência em aplicá-lo”.
A proposta do deputado federal foi aprovada em 2015 pelo Congresso. No entanto, o Supremo Tribunal Federal decidiu em junho deste ano derrubar o voto impresso nas eleições de 2018, para eventual conferência dos resultados da disputa. A maioria concordou com ação da Procuradoria Geral da República, que apontou que a medida coloca em risco o sigilo do voto.

fonte: Poder360/youtube
Postar um comentário

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

COMPARTILHE