Postagem em destaque

‘Não é porque é meu filho que vai ficar isento’, diz Bolsonaro

Jair Bolsonaro subiu agora há pouco para suas redes sociais uma entrevista gravada para o Jornal da Record em que volta a criticar as de...

terça-feira, 25 de setembro de 2018

Is Brazil’s presidential front-runner Jair Bolsonaro the Latin American Donald Trump? Nope

Brazilian voters go to the polls next month to elect a new president. Right-wing firebrand Jair Bolsonaro of the fringe Social Liberal Party is ahead in the polls, following government corruption scandals that have tainted the mainstream parties, a paralyzing truckers’ strike, and protests over the imprisonment of former president Luiz Inácio Lula da Silva, known as Lula. The campaigns are only beginning to heat up. An apparently unstable man recently stabbed Bolsonaro during a campaign rally, threatening his life and taking him off the campaign trail for now, but he remains popular.
Commentators are comparing Brazil’s political crisis with Brexit, the election of Donald Trump in the United States and populist movements elsewhere. Fear, fake news and acrimonious polarization, so the story goes, are driving an angry electorate into the arms of a dangerous and extreme candidate.
But we do not yet know whether Bolsonaro will win. Comparisons with Trump and Brexit are overblown. Here’s why.
1. Fragmented parties generate both extremist and centrist candidates
When British voters went to the polls over Brexit in 2016, they had only two choices: Support or oppose keeping Britain in the European Union. Similarly, voters in 2016 chose between only Trump and Hillary Clinton for president. In both cases, each side perceived the other as extreme and repugnant. Voters quickly polarized. The outcome in both cases was close — in the United States, so close the winner of the popular vote did not become president, given how those votes were distributed.
But Brazil’s party system allows many choices, not just two. In the latest Datafolha Institute poll, Bolsonaro leads with 26 percent of intended votes, followed by center-left Ciro Gomes with 13 percent, Lula’s handpicked successor Fernando Haddad also with 13 percent, center-right candidate Geraldo Alckmin with 9 percent, center-left Marina Silva with 8 percent, and several others with even lower single-digit support.
Apart from the extreme-right Bolsonaro and leftist Haddad, all the leading candidates are center-left or center-right. Given the consistently fractured poll numbers, there is a strong chance at least one of the top two candidates for the late-October runoff will be a centrist.
2. Electoral rules matter. A lot.
In the United States, a candidate rejected by a majority of voters can win a majority of the votes in the electoral college, as both Trump and George W. Bush can attest. Brazil’s electoral rules are different. In its two-round electoral system, much like the one used in France, a candidate needs a majority — not just a plurality — of valid votes to be elected in the first round. If no candidate gets more than 50 percent of the first-round vote, the top two candidates compete in a second round, the runoff.
Since the parties are so fragmented, presidential candidates are unlikely to emerge from the first round with a clear victory — unless they form large and often ideologically diverse coalitions. Brazil’s electoral laws give candidates strong incentives to forge such coalitions — because the government offers free TV and radio time to candidates based on the share of seats their coalition has in Congress. Such coalitions tend to screen out extremist candidates who do not want to compromise.
If an extremist candidate does make it to the second round, he or she is less likely to win in the runoff. That is because by the time of the runoff, non-mainstream candidates will usually have alienated a substantial share of voters — voters who then gravitate toward the other, more centrist candidate. Brazil’s electoral rules thus promote mobilizing moderate voters by moving to the political center.
That is what happened in the French presidential elections of 2002 and 2017: Far-right candidates made it to the second round — and were then soundly defeated by centrists as voters united against the threat of extremism.
3. Lula’s Workers’ Party is not a cohesive, extreme coalition
Many believe Brazilian voters are divided between left-wingers who strongly support Lula’s Workers’ Party and right-wingers who strongly reject it. That is not exactly accurate.
Recent research shows voters who oppose the Workers’ Party are ideologically diverse. Some of them are conservatives, but others are center-left voters who support moderates like Silva and Gomes. In the United States, the ideological distance between Democrats and Republicans has increased over time. Things are different in Brazil’s multiparty system. There the top two vote-earning parties in every presidential race since 1994 — Lula’s Workers’ Party and Alckmin’s Social Democratic Party — have become all but ideologically indistinguishable.
What’s more, no presidential candidate lacking the support of a competitive pre-electoral coalition has ever been elected, with the exception of Fernando Collor in 1989. In those elections, voters considered Lula the “extreme” candidate from the left. Then-newcomer Collor, seen as more presentable and sensible, was preferred by the financial markets and the middle classes. Once he reached the runoff against Lula, large traditional parties quickly threw their support behind Collor — and put him over the top.
Bolsonaro has adopted an aggressively anti-establishment rhetoric that puts into question his willingness to share power with Congress. If he reaches the runoff, Brazil’s pragmatic, office-seeking parties may well prefer to back a candidate who is more eager to strike a bargain.
So what will become of Lula’s supporters? When included in the polls, the former president — even after being jailed for corruption — was leading with an impressive 39 percent. Now that the Workers’ Party has named Fernando Haddad as Lula’s substitute, it is not clear whether Lula’s voters will transfer to Haddad.



Tradução

Eleitores brasileiros vão às urnas no próximo mês para eleger um novo presidente. Manifesto de direita Jair Bolsonaro, do Partido Liberal Social, está à frente nas pesquisas, depois de escândalos de corrupção do governo que contaminaram os principais partidos, paralisando a greve dos caminhoneiros e protestando pela prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. como Lula. As campanhas estão apenas começando a esquentar. Um homem aparentemente instável recentemente esfaqueou Bolsonaro durante um comício de campanha, ameaçando sua vida e tirando-o da campanha por enquanto, mas ele continua popular.

Comentaristas estão comparando a crise política do Brasil com o Brexit, a eleição de Donald Trump nos Estados Unidos e movimentos populistas em outros lugares. Medo, notícias falsas e polarização acrimoniosa, segundo a história, estão levando um eleitorado furioso para os braços de um candidato perigoso e extremo.

Mas ainda não sabemos se Bolsonaro vai ganhar. Comparações com Trump e Brexit são exageradas. Aqui está o porquê.

1. Os partidos fragmentados geram candidatos extremistas e centristas

Quando os eleitores britânicos foram às urnas sobre o Brexit em 2016, eles tinham apenas duas opções: apoiar ou se opor à manutenção da Grã-Bretanha na União Europeia. Da mesma forma, os eleitores em 2016 escolheram entre apenas Trump e Hillary Clinton para presidente. Em ambos os casos, cada lado percebeu o outro como extremo e repugnante. Os eleitores rapidamente polarizaram. O resultado em ambos os casos foi próximo - nos Estados Unidos, tão perto que o vencedor do voto popular não se tornou presidente, dado o modo como esses votos foram distribuídos.

[Os votos das mulheres podem ser a chave para impedir o candidato presidencial de extrema direita do Brasil. Aqui está o porquê.]


Mas o sistema partidário do Brasil permite muitas escolhas, não apenas duas. Na última pesquisa do Instituto Datafolha, Bolsonaro lidera com 26% dos votos, seguido por Ciro Gomes com 13%, o sucessor escolhido por Lula Fernando Haddad também com 13%, o candidato de centro-direita Geraldo Alckmin com 9%, centro-esquerda. Marina Silva com 8% e vários outros com suporte de apenas um dígito.

Além da extrema-direita Bolsonaro e do esquerdista Haddad, todos os principais candidatos são de centro-esquerda ou centro-direita. Dados os números das pesquisas consistentemente fraturadas, há uma grande chance de que pelo menos um dos dois principais candidatos para o segundo turno de outubro seja um centrista.

2. Regras eleitorais são importantes. Muito.

Nos Estados Unidos, um candidato rejeitado pela maioria dos eleitores pode ganhar a maioria dos votos no colégio eleitoral, como Trump e George W. Bush podem atestar. As regras eleitorais brasileiras são diferentes. Em seu sistema eleitoral de dois turnos, muito parecido com o usado na França, um candidato precisa de uma maioria - não apenas de uma pluralidade - de votos válidos para ser eleito no primeiro turno. Se nenhum candidato receber mais de 50% do primeiro turno, os dois primeiros candidatos concorrerão no segundo turno, o segundo turno.

Como os partidos são tão fragmentados, é improvável que os candidatos presidenciais saiam do primeiro turno com uma vitória clara - a menos que formem coalizões grandes e muitas vezes ideologicamente diversas. As leis eleitorais brasileiras dão aos candidatos fortes incentivos para forjar tais coalizões - porque o governo oferece tempo livre de rádio e TV para os candidatos com base na parcela de cadeiras que sua coalizão tem no Congresso. Essas coalizões tendem a filtrar candidatos extremistas que não querem se comprometer.

Se um candidato extremista chega ao segundo turno, é menos provável que ele ganhe no segundo turno. Isso porque, na época do segundo turno, os candidatos que não participam normalmente terão alienado uma parte substancial dos eleitores - eleitores que então gravitam em direção ao outro candidato, mais centrista. As regras eleitorais brasileiras promovem, assim, a mobilização de eleitores moderados, mudando-se para o centro político.

Foi o que aconteceu nas eleições presidenciais francesas de 2002 e 2017: os candidatos de extrema-direita chegaram ao segundo turno - e foram então derrotados por centristas, enquanto os eleitores se uniram contra a ameaça do extremismo.

3. O Partido dos Trabalhadores de Lula não é uma coalizão extrema e coesa

Muitos acreditam que os eleitores brasileiros estão divididos entre os esquerdistas que apoiam fortemente o Partido dos Trabalhadores de Lula e os direitistas que o rejeitam fortemente. Isso não é exatamente exato.

Pesquisas recentes mostram que os eleitores que se opõem ao Partido dos Trabalhadores são ideologicamente diversos. Alguns deles são conservadores, mas outros são eleitores de centro-esquerda que apoiam moderados como Silva e Gomes. Nos Estados Unidos, a distância ideológica entre democratas e republicanos aumentou com o tempo. As coisas são diferentes no sistema multipartidário do Brasil. Lá, os dois principais partidos que ganharam votos em todas as disputas presidenciais desde 1994 - o Partido dos Trabalhadores de Lula e o Partido Social-Democrata de Alckmin - tornaram-se quase ideologicamente indistinguíveis.


Além disso, nenhum candidato presidencial que não tenha o apoio de uma coalizão pré-eleitoral competitiva foi eleito, com exceção de Fernando Collor em 1994.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMPARTILHE

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

Entre em nosso Grupo de Notícias WhatsApp

Flagra! Chevrolet Spin renovada é vista disfarçada antes da estreia