Postagem em destaque

"Manifestação dia 30 de junho tem atos pró-Moro em SP, RJ e Curitiba. Veja lista de cidades"

Domingo dia 30 de junho haverá manifestação pró-Moro e pró-Lava Jato em mais de 150 cidades|  "O ministro da Justiça e Segurança Pú...

Não achou a matéria? Pesquise aqui!

sexta-feira, 7 de junho de 2019

Carro brasileiro é 44% mais caro de produzir que o mexicano; veja estudo

Resultado de imagem para Carro brasileiro é 44% mais caro de produzir que o mexicano; veja estudo


PwC mostra a falta de competitividade do Brasil contra o México na indústria automotiva

Desde que a nova diretoria da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) assumiu, ela tomou uma posição mais proativa para mudar a forma como o governo trata a indústria automotiva brasileira. Não faltam críticas sobre a quantidade de impostos que incidem sobre os carros e a burocracia. Para comprovar o que diz, a entidade encomendou uma pesquisa feita pela PwC Brasil, que revela que a diferença final de custo pode chegar a 44% dependendo do tipo de veículo.
Anfavea - Desempenho da Indústria Brasileira Maio/2019
A Anfavea argumenta que o México é um país com um mercado muito mais aberto do que o Brasil, e que fez acordos para isso. A indústria automotiva mexicana exporta 88% de sua manufatura, muito acima dos 22% da produção nacional. Como consequência, o México movimentou US$ 143 bilhões em 2017, enquanto o Brasil moveu apenas US$ 26 bilhões.
E onde está a culpa? Em vários lugares, pois o ambiente de negócios brasileiro sofre com a burocracia excessiva, limitações logísticas e altos custos operacionais. E, é claro, impostos. Segundo a Anfavea, um carro nacional com motor 1.0 tem uma carga tributária de 37,2%, enquanto os modelos acima de 1.0 e até 2.0 pagam 43,7% de impostos. Na maioria dos países, este imposto é único e muito menor. No caso do México, a carga tributária é de 16%.
Anfavea - Desempenho da Indústria Brasileira Maio/2019
Para mostrar como é difícil trabalhar com a burocracia brasileira, a PwC ainda mostrou como é o fluxo de importação de airbags. Importar as bolsas infláveis leva entre 42 a 50 dias, sem atraso. Após gerar os documentos e fazer os pagamentos necessários, anda é preciso esperar até 30 dias para deferimento. A pesquisa mostra que o Brasil gasta 2.507 homens/hora por ano em recursos humanos para calcular impostos
"Os resultados apresentados neste levantamento indicam a necessidade extrema de atacarmos pontos que reduzam o Custo Brasil e melhorem a nossa competitividade. Medidas que estimulem o comércio exterior, melhorem a logística de distribuição e reduzam a carga tributária são urgentes para conferir uma nova dinâmica para os negócios brasileiros em diversos segmentos da economia, não somente o automotivo”, afirma Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea.

Imagens: divulgação

fonte: Caplace/Anfavea


Nenhum comentário:

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

COMPARTILHE