Pular para o conteúdo principal

Os 4 motivos por trás da decisão da Caoa Chery de fechar fábrica até 2025

 

Montadora anunciou profunda transformação na unidade de Jacareí (SP) para produzir localmente híbridos e elétricos, mas outros motivos podem ter influenciado a estratégia

A Caoa Chery surpreendeu o mercado na semana passada ao anunciar profunda reestruturação na sua fábrica de Jacareí (SP), que terá sua produção suspensa até 2025 para, segundo a montadora, atualizar as linhas de montagem para fabricar modelos híbridos e elétricos. Ainda que a companhia tenha usado a modernização da unidade como argumento para suspender as atividades, analistas ouvidos por Automotive Business apontam outros fatores que podem ter colaborado para a decisão da companhia.

Veja a seguir os quatro aspectos que podem ter influenciado na decisão de fechar a fábrica paulista temporariamente.

1- Volume de produção magro

A unidade paulista da montadora produzia os modelos Tiggo 3X, SUV lançado no ano passado, e também o sedã médio Arrizo 6, que chegou ao mercado em 2020. De acordo com os especialistas, ambos os veículos não ofereciam volumes suficientes para manter a fábrica operando.Dados do Renavam divulgados pela Fenabrave apontam que, até abril, foram vendidas 3 mil unidades do SUV, enquanto os licenciamentos do sedã somaram 864 unidades.

"São volumes muito baixos para suportar uma operação local, que ficou mais cara por contar com muitos componentes importados", disse Cassio Pagliarini, consultor associado da Bright Consulting.

A fábrica, projetada para ter capacidade total de produção de 150 mil unidades/ano, nunca chegou perto de tal volume, sendo que no ano passado produziu pouco mais de 14 mil unidades de janeiro a dezembro.

2- Custos logísticos

Outro aspecto que pesou na decisão foi o fato de a empresa ter enfrentado forte pressão sobre os custos das peças importadas, sobretudo o powertrain que passou a ser trazido da China -- antes, parte do conjunto era montado, com conteúdo local, na fábrica de Jacareí. Se antes a manobra era estratégica, aproveitando o poder da manufatura das unidades chinesas, que compensavam o patamar elevado do dólar com alta escala de produção a um custo baixo, com a elevação da moeda e os entraves logísticos que surgiram com a pandemia o processo tornou-se mais complexo para a operação brasileira.

"Inicialmente, a empresa tinha a intenção de aumentar o nível de conteúdo nacional em seus veículos produzidos ali, mas a escala e o preço dos componentes vindos da China eram tão competitivos que isso foi sendo postergado, até que chegou a pandemia e seus obstáculos nos processos de importação", contou Pagliarini.

3- Efeito Great Wall

Já para Ricardo Bacellar, da Bacellar Advisory Boards, a mudança anunciada pela Caoa Chery em Jacareí diz respeito a um reposicionamento da empresa na região, considerando a chegada de outro player chinês no país, a Great Wall Motors (GWM). A conterrânea foi a primeira montadora a anunciar produção local de carros elétricos e isso pode ter influenciado a Caoa Chery a seguir pelo mesmo caminho nos próximos anos.

"O investimento local da Great Wall, a oferta, ainda que importada, de automóveis BYD, mais o aparecimento do Renault Kwid elétrico, formam um conjunto de fatores que influenciam na decisão de outras montadoras no sentido de mostrar que é possível ter produção local de veículos elétricos. Quando uma primeira montadora aparece com uma notícia dessas, outras surgem também com os seus projetos", contou Bacellar.

4- Interesse dos acionistas

A anunciada guinada à produção local de veículos elétricos também pode ter sido influenciada pelos novos investidores da Chery, na China. Em fevereiro a empresa passou a contar com a Luxshare Precision em sua lista de controladores, companhia que é um dos fornecedores de componentes da Apple naquele país e que possui planejamento de ter uma produção futura de veículos elétricos e autônomos por meio da estrutura da Chery. Em comunicado divulgado para o mercado, a Luxshare também tem como objetivo ser um fornecedor tier 1 no mercado automotivo.

A Luxshare detém 19,8% do capital da Chery Holdings, 7,87% da Chery Automobile (parceira da Caoa no montadora instalada aqui) e 6,24% da Chery New Energy. A montadora também planeja abrir este ano o seu capital na bolsa de valores de Shenzhen, na China.


fonte: Automotive Business

Comentários

ANÚNCIO - CONTATO - net4eduardo@gmail.com

Nome

E-mail *

Mensagem *

AS MAIS LIDAS

Natural do Sul de Minas, padre da Canção Nova morre aos 41 anos

Sacerdote nasceu em Borda da Mata e foi criado na zona rural de Ouro Fino; ele deu entrada no hospital nesta quinta-feira (19/5), mas não resistiu Sacerdote nasceu em Borda da Mata e foi criado na zona rural de Ouro Fino; ele deu entrada no hospital nesta quinta-feira (19/5), mas não resistiu ro rural Mandu, em Ouro Fino, na mesma região, onde sua família reside.   De acordo com a Canção Nova, o padre deu entrada no Centro Médico Padre Pio, em Cachoeira Paulista (SP), no fim da manhã desta quinta-feira (19/5), com um quadro de cianose central. Isso ocorre quando o sangue, com baixa concentração de oxigênio, chega nas artérias. Após sucessivas manobras de reanimação cardio pulmonar, o padre não resistiu e veio a óbito às 11h03.   Na Semana Santa deste ano, ele colaborou com a paróquia São Francisco de Paula e Nossa Senhora de Fátima, em Ouro Fino. O velório aconteceu no Santuário do Pai das Misericórdias (Av. Canção Nova, 500A – Alto da Boa Vista, Cachoeira Paulista). Às 16h foi celebra

ENQUETE: Você é a favor de cobrança de taxa ambiental para turistas entrarem em Ubatuba SP?

  Quem quiser curtir algumas das mais de cem praias de Ubatuba, no litoral norte de São Paulo, de carro vai precisar pagar pela entrada na cidade por dia. Um decreto da prefeitura da cidade estabeleceu a criação de uma taxa de preservação ambiental que será cobrada de veículos motorizados que entrarem no município. Entre e vote. Enquete on-line por Ferendum.com

A grande farsa

  “Amigos, há um momento, na vida dos povos, em que o país tem de ser anunciado, promovido e profetizado”. (Nelson Rodrigues). A Globo e o Consorcio de Imprensa que ela comanda, inventaram uma grande farsa: a crise na Seleção Brasileira. Dela participaram Tite, Casemiro, Renan como bonequinhos de ventríloquo, que vocalizaram as “dores” que os pobres atletas-europeus estavam sentindo. Por tabela, entra Rogério Caboclo, um “homem mau”, namorador, que precisava ser eliminado urgentemente da CBF, segundo deixa entender a Globo. No núcleo central da trama a Copa América e o vírus que provoca a epidemia.Acompanhe o desenrolar da trama, digna de uma novela mexicana: Casemiro, a quem o técnico Tite entregou a braçadeira de capitão da Seleção, perguntado pelo repórter Eric Faria, da TV Globo, “se a posição que ele pretende externar após o jogo de terça é compartilhada pelos companheiros, ele garantiu que fala pelo grupo”, disse: – “Nós iremos falar, o Tite explicou a situação, eu como capitão,

Rancho D´Ajuda

Multinacional francesa Vallourec faz cortes na Europa e transfere produção para Brasil

  Fechamento de fábricas na Alemanha, França e Reino Unido gera empregos para brasileiros A Vallourec,  multinacional francesa  que fabrica tubos de aços usados para perfurar petróleo e gás, vai cortar cerca de 2950 empregos na Europa e fechar fábricas na Alemanha, França e Reino Unido. As dívidas acumuladas – só a operação alemã perdeu € 100 milhões anuais nos últimos anos – estão entre as maiores razões para o anúncio feito pela companhia. O fechamento da fábrica na Alemanha vai fazer com que sejam cortados 2400 empregos no país. “Essas decisões devem permitir que a Vallourec permaneça lucrativa, quaisquer que sejam as condições do mercado”, disse Philippe Guillemot, nomeado CEO em março com a tarefa de melhorar os resultados. A única boa notícia dessa história é que parte da produção da Vallourec vem para o Brasil. As  vagas de empregos  já começaram a aparecer em Minas Gerais. A companhia, com sete unidades no Brasil, busca profissionais de níveis médio, técnico e superior. fonte:

O estapafúrdio contrato “ultraconfidencial” entre o Butantan e a Sinovac, que não especifica valor entre as partes

  O contrato que o Instituto Butantan, dirigido por Dimas Tadeu Covas, que diz não ter relação de parentesco com Bruno Covas, prefeito de São Paulo, e o gigante laboratório chinês Sinovac, acreditem, não determina quantidade e valor unitário da vacina. A grosso modo, o contrato beneficia apenas um lado no acordo: o chinês. As cláusulas do contrato, anunciadas, em junho, como “históricas” pelo governador de São Paulo, João Dória, revelam outras prioridades que, obviamente, não tem nada a ver com a saúde da população do Brasil, como o tucano chegou a afirmar para o presidente Jair Bolsonaro, quando fazia pressão para o chefe do executivo liberar a vacina no país. A descoberta ocorre na semana em que os testes com a vacina foram suspensos devido ao falecimento de uma voluntária, cujo motivo da morte – sequer – foi informado pelo Butantan à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), que é o órgão de proteção à saúde da população por intermédio de controle sanitário da produção e co

Aparição de Extraterrestre?

  fonte;   The History Channel Brasil

Jornalista investigativo desbarata “laranjal” e desmascara Guilherme Boulos

Esse cidadão Guilheme Boulos é efetivamente uma figura de alta periculosidade. Sua mente é muito mais doentia que a de Lula. É um sujeito que faz da ‘politicagem’ um meio para obtenção de vantagens. Para tanto, é capaz de qualquer coisa. Não mede as consequências e é extremamente ardiloso. Felizmente, Boulos tem pouca intimidade com a inteligência. Assim, não resiste a uma boa investigação. Nesse sentido, o destemido jornalista Oswaldo Eustáquio resolveu olhar com mais atenção a campanha política que Boulos realiza em São Paulo. Já detectou um verdadeiro “laranjal” que o “gigolô de sem-teto” - nas palavras do jornalista Augusto Nunes - está formando em São Paulo. O esquema foi montado para fraudar a campanha em 2020. Uma empresa foi aberta apenas para receber R$ 500 mil e desviar o dinheiro público. O jornalista foi até o local que deveria funcionar a empresa e explodiu o esquema. O dono da casa admitiu que trata-se de um local de fachada e que a empresa, que faturou meio milhão, tem a

Caoa Chery emite nota, caso mantido o impasse, a empresa será obrigada a declinar a proposta

  A   CAOA CHERY -  JACAREÍ noticiou ao Sindicato de Trabalhadores a necessidade de uma longa interrupção de suas atividades produtivas na fábrica de Jacareí, com a consequente readequação de seu quadro de empregados. A alteração do estabelecimento fabril (e do maquinário) decorre do contexto internacional e, também, da necessidade da empresa se adequar às novas tecnologias, visando a produção no Brasil de veículos eletrificados. Buscando minorar a complexa situação, a empresa propôs à entidade sindical a negociação de uma indenização aos trabalhadores, adicional à integral quitação das verbas legais decorrentes das rescisões dos contratos de emprego. O Sindicato de Trabalhadores se opôs à oferta da empresa, e apresentou contraproposta pleiteando o estabelecimento de um  lay-off  de 5 meses (com 3 meses de estabilidade). Os empregados vêm recebendo seus salários desde de março de 2022, embora tenha ocorrido a extinção das atividades da fábrica de Jacareí. Na época da decisão, sempre em

Ciro acusa Lula: “Mandou os jagunços dele me agredirem fisicamente”

  Ciro Gomes, o perturbado, ganhou sobrevida com a expectativa de que Lula não concorra e por isso recarregou sua metralhadora de palavras para ver se conquista o lugar de "candidato da esquerda contra Bolsonaro". Dentre tantas coisas ditas, acusou Lula de ter mandado bater nele.Falem mais! Desabafem meninos, estamos aqui para escutá-los. fonte: Jornal da Cidade