Postagem em destaque

Enquete: Qual seu candidato a Presidente da República você vai votar se a eleição fosse hoje?

O Brasil passa por uma crise moral e ética, além da corrupção que tomou conta de grande parte das instituições públicas, são milhões de ...

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Apicultor faz etanol a partir de mel e dribla crise dos combustíveis

Homem abastecendo veículo
O apicultor Luiz Jordans Ramalho Alves pode não ter sido o único motorista do Brasil que não passou aperto durante a greve dos caminhoneiros. Mas difícil é achar um que, a exemplo dele, ande por aí com o tanque cheio de etanol caseiro feito a partir do mel.
O apicultor de 46 anos é autossuficiente em etanol desde 2015, quando, por insistência em aproveitar todo o descarte do mel, acabou descobrindo que era possível obter o combustível a partir do produto.
A experiência de Jordans, morador de Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia, é inédita no Brasil, segundo engenheiros da área química, mecânica e estudiosos de biocombustíveis no país consultados pela BBC Brasil.
Na zona rural de Barra do Choça, cidade de 34 mil habitantes vizinha a Vitória da Conquista, Jordans possui um entreposto por onde passam de cerca de 10 toneladas de mel por mês. Na mesma área, ele tem ainda mais de 100 mil pés de café.
Apicultor abastece seu carro flex com etanol de mel
Luiz Jordans abastece seu carro com etanol à base de mel desde 2015
O mel vem de seus apiários e de 10 cidades da Bahia, Estado cuja produção é de 3,5 mil toneladas ao ano, ou 9% da produção nacional, segundo dados referentes a 2016, os mais recentes divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Reaproveitamento

O mel que chega ao entreposto de Jordans é comercializado em mercados de cidades da região sudoeste da Bahia, e do volume produzido sempre acaba voltando para o apicultor entre 0,5 e 1% de mel, chamado de descarte.
"Eles voltam por pequenos defeitos, como uma embalagem que trincou e gerou risco de contaminação, então, recolhemos para manter o controle de qualidade do mel", disse.
Descartar mel no meio ambiente, conta o apicultor, é um risco às próprias abelhas, pois elas podem consumir o produto fermentado e acabar morrendo, o que prejudicaria a atividade.
Jordans é apicultor há quase 30 anos, mas o descarte só virou preocupação maior nos últimos dez anos, quando no entreposto aumentou seu movimento para 10 toneladas mensais.
Em 2012, ele contratou uma consultoria que o auxiliou a montar um projeto sobre aproveitamento do descarte para produzir extratos de mel, como álcool etílico (conhecido como alimentício ou nobre) e, com isso, fazer cachaça ou aguardente de mel.

Luiz Jordans Ramalho AlvesDireito de imagemMÁRIO BITTENCOURT/ BBC BRASIL
Image captionJordans não pensa em produzir para vender e diz que seu objetivo é apenas aproveitar todo o descarte do mel

Enviado para a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb), o projeto foi aprovado com verba de R$ 185.052,40 para o apicultor, que usou o dinheiro para comprar os equipamentos necessários ao processo de produção do álcool etílico.
O financiamento público ocorreu por meio de uma proposta da fundação de abrir a pesquisa para empresas. A consultoria entrou como responsável técnica da pesquisa, já que o apicultor não é da área - é especialista em apicultura, com diversos cursos realizados, e tem formação técnica em administração.

Produção caseira

Depois que conseguiu o financiamento da Fapesb, Jordans montou no entreposto de mel, sua segunda casa, um pequeno laboratório para obtenção da aguardente. No processo químico, o descarte entra em fermentação num tanque de 250 litros durante 5 a 15 dias.
Nesse período, ocorre a primeira destilação do álcool, que dura 24 horas. É daí que surge o álcool etílico, que rende por ano mais de 600 litros, usado por Jordans para fazer aguardente de mel e comercializar por R$ 60 a garrafa de meio litro - valor cobrado ainda hoje.
Ele ainda usa a mesma aguardente para fazer licores de café e chocolate, o que lhe rende uma renda extra neste mês de junho, de muitos festejos relacionados ao São João em todo o Nordeste.

Luiz Jordans Ramalho AlvesDireito de imagemMÁRIO BITTENCOURT/ BBC BRASIL
Image caption"O desempenho diminui um pouco, mas dá para andar tranquilo", relatou o apicultor sobre o álcool de mel

O financiamento da Fapesb durou até 2014, mas, apesar de satisfeito por estar produzindo álcool etílico e faturando mais, Jordans se sentia incomodado por ver que 30% do descarte não estava sendo aproveitado para nada. Ele decidiu continuar as pesquisas por conta própria, fazendo aguardente e estocando o que restava.
Até que, em 2015, teve a ideia de enviar o produto restante para testes num laboratório de Salvador, que apontou que o líquido tinha graduação alcoólica de 80%, próximo às normas da ANP (Agência Nacional de Petróleo) para o etanol hidratado, utilizado em veículos - que deve ter 94,5% de álcool.
"Fiz um teste com meu carro e funcionou", disse Jordans, informando em seguida que notou redução da potência do motor do veículo enquanto rodava.
"Ele perde força, sobretudo em ladeiras ou durante ultrapassagens, aí tem de pisar mais no acelerador. Com o álcool hidratado, da cana-de-açúcar, o carro faz 7 km com um litro, e com esse meu álcool de mel chega a 5 km", ele contou.
Por semana, Jordans produz cerca de 50 litros de etanol, mas não vende nenhum - e nem poderia, porque seu produto não atende às normas da ANP. "Mas o que tem de amigo querendo que eu venda não dá nem pra contar. Para uso em veículo, só no meu", declarou.

Mercado potencial

Se estivesse dentro das normas, Jordans até poderia comercializar seu álcool como produtor independente. Isso é permitido pela Resolução Nº 19, de 15 de abril de 2015, da ANP, sobre as regras da produção, comercialização e especificação do etanol hidratado e o anidro, misturado à gasolina.
Mas oapiculto não pensa em produzir para vender. O objetivo dele, aproveitar todo o descarte do mel, já foi alcançado. O produto, que é uma fonte de energia limpa, vem sendo utilizado no carro que ele divide com a esposa e em outros dois da empresa, todos flex.
Durante a greve dos caminhoneiros, enquanto em Vitória da Conquista, assim como em outras cidades do Brasil, já não havia combustível na maioria dos postos, Jordans "ostentava" 200 litros de etanol de mel em casa - e levou parte do estoque às ruas para gravar um vídeo abastecendo seu veículo.
"Nós estamos aqui nesse momento de crise no abastecimento, nós também temos essa dificuldade, mas estamos encontrando parcialmente a solução", dizia ele, antes de despejar 20 litros no tanque. "Dá até para sentir o cheirinho de mel."
A satisfação maior do apicultor é saber que o mel está sendo todo aproveitado. "É uma responsabilidade ecológica minha não realizar mais o descarte, não quero parar nunca mais com isso", acrescentou.

Aperfeiçoamentos

O etanol que o apicultor produz pode ser melhorado com algumas técnicas não muito difíceis para atender ao nível de exigência da ANP, no que se refere à graduação alcoólica, informa a engenheira química Sabrina Neves Silva.
"No caso de processos físicos, uma redestilação poderia aumentar um pouco o rendimento", ela diz. "Contudo, o mais indicado seria uma destilação azeotrópica, diferente da destilação comum."
Em termos simples, a destilação azeotrópica consiste em adicionar um terceiro componente à mistura álcool/água, que teria mais afinidade química com a água, extraindo esta substância do etanol.
"Já em processos de separação químicos, seria possível utilizar óxido de cálcio ou carbonato de potássio, por exemplo", completa Sabrina, doutora em engenharia e professora do curso da Engenharia de Energia da Universidade Federal do Pampa, no Rio Grande do Sul.

O apicultor mostra vasilhames cheios de melDireito de imagemMÁRIO BITTENCOURT/ BBC BRASIL
Image captionMel descartado durante o controle de qualidade é usado para fazer o combustível

O engenheiro mecânico Lourenço Gobira Alves, doutor em Engenharia Mecânica e professor e chefe do departamento do mesmo curso na Universidade Federal da Bahia (Ufba), acredita que o etanol de mel funcione bem caso passe, antes, por esse processo de melhoria.
"Nas condições atuais, provoca redução da potência do motor e opera com maior dificuldade de combustão", acrescenta, atestando o que o apicultor já vem sentindo na prática.
Outro problema que Gobira observa no etanol de mel feito atualmente é a porcentagem alta de água, que faz o carro ter problemas na partida, principalmente em locais com baixas temperaturas, como é o caso de Vitória da Conquista, conhecida pelo apelido de "Suíça baiana", devido ao rigoroso frio.
"Talvez haja dificuldade para dar partida no motor pela manhã", comenta o engenheiro, para quem "uma iniciativa como esta, de produzir etanol a partir do mel, é muito mais que bem-vinda, tem de ser explorada e conhecidos os seus limites."
"Quem sabe", reflete Gobira, "não vamos ter o meltanol".

fonte: BBC Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COMPARTILHE

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

Entre em nosso Grupo de Notícias WhatsApp

Flagra! Chevrolet Spin renovada é vista disfarçada antes da estreia