Pular para o conteúdo principal

Vai renovar o seguro? Veja o preço das apólices dos carros mais vendidos

 

Faz alguns meses, o Jornal do Carro publicou um estudo que apontou que só 16% dos veículos em circulação no País têm cobertura de seguro. Mas, em agosto de 2021, a Superintendência de Seguros Privados (Susep) alterou as regras do serviço, e as mudanças ampliaram a oferta e o acesso às apólices. Assim, os novos tipos de cobertura podem ser uma boa alternativa, sobretudo aos modelos que estão em alta no mercado.

Nessa linha, a Youse, plataforma digital de seguros, cotou as apólices dos 10 carros mais vendidos do Brasil em 2021. Mas, vale dizer que a relação não incluiu as picapes. Ou seja, a líder Fiat Strada ficou de fora. Contudo, traz modelos que, em março de 2021, lideravam o índice de roubos e furtos. São os casos de Hyundai HB20Chevrolet Onix e Jeep Renegade.

A simulação dos valores foi feita a partir do perfil de um homem solteiro, de 38 anos, morador da cidade de São Paulo e que faça uso particular do veículo. Nesse contexto, indica um plano que cobre roubos, furtos, incêndio, alagamento, colisões de qualquer natureza e até perda total. Além disso, o contrato contempla danos materiais a terceiros e guincho.


Faz alguns meses, o Jornal do Carro publicou um estudo que apontou que só 16% dos veículos em circulação no País têm cobertura de seguro. Mas, em agosto de 2021, a Superintendência de Seguros Privados (Susep) alterou as regras do serviço, e as mudanças ampliaram a oferta e o acesso às apólices. Assim, os novos tipos de cobertura podem ser uma boa alternativa, sobretudo aos modelos que estão em alta no mercado.

PUBLICIDADE

Nessa linha, a Youse, plataforma digital de seguros, cotou as apólices dos 10 carros mais vendidos do Brasil em 2021. Mas, vale dizer que a relação não incluiu as picapes. Ou seja, a líder Fiat Strada ficou de fora. Contudo, traz modelos que, em março de 2021, lideravam o índice de roubos e furtos. São os casos de Hyundai HB20Chevrolet Onix e Jeep Renegade.

A simulação dos valores foi feita a partir do perfil de um homem solteiro, de 38 anos, morador da cidade de São Paulo e que faça uso particular do veículo. Nesse contexto, indica um plano que cobre roubos, furtos, incêndio, alagamento, colisões de qualquer natureza e até perda total. Além disso, o contrato contempla danos materiais a terceiros e guincho.

seguros
Chevrolet/Divulgação

Parcelas começam em R$ 92

Entre os modelos selecionados, as apólices mais baratas são da dupla Chevrolet Onix. Para o sedã, o valor mínimo da parcela é de R$ 92,73 por mês, atingindo um valor anual de R$1.112,76. No caso do hatch, a mensalidade começa em R$ 93,19, e, assim, tem valor anual de R$ 1.118,28. Em contrapartida, o Volkswagen Gol, que também está no levantamento, tem um custo mensal de R$ 124,23 com o seguro.

A lista também traz carros mais caros, como o Jeep Compass, que tem parcela mensal a partir de R$ 314,72. No plano anual, o seguro do SUV médio custa R$ 3.776,64. Em seguida, vem o Volkswagen T-Cross, um dos utilitários mais vendidos de 2021, com mensalidades de R$ 198,92 e apólice anual de R$ 2.387,04. Veja abaixo modelos e valores mensais e anuais:

  1. HB20 Vision 1.6 16V flex AT - R$ 128,16 (R$ 1.537,92)
  2. Argo 1.0 6V flex MT - R$ 114,77 (R$ 1.377,24)
  3. Renegade Longitude 1.8 flex AT - R$ 131,96 (R$ 1.583,52)
  4. Onix hatch 1.0 turbo flex AT - R$ 93,19 (R$ 1.118,28)
  5. Compass Limited 2.0 flex AT - R$ 314,72 (R$ 3.776,64)
  6. Gol 1.6 MSI flex AT - R$ 124,23 (R$ 1.490,76)
  7. Mobi Like 1.0 Fire flex MT - R$ 101,86 (R$ 1.222,32)
  8. Creta Attitude 1.6 flex AT - R$ 122,30 (R$ 1.467,60)
  9. T-Cross 1.0 turbo flex AT - R$ 198,92 (R$ 2.387,04)
  10. Onix Plus LT 1.0 flex MT - R$ 92,73 (R$ 1.112,76)

Novas regras de seguro

Elaborados pela Susep, os novos critérios para a oferta de seguros de automóveis foram publicados no Diário Oficial da União no dia 13 de agosto de 2021. Dessa forma, elas visam desenvolver o mercado com mais liberdade de escolha e personalização de apólices. Então, o consumidor pode pagar menos. Na prática, isso viabiliza a contratação de coberturas.

De acordo com a entidade, uma das principais novidades é a possibilidade de contratar o seguro sem identificar o veículo. Dessa forma, a apólice fica atrelada ao condutor, e não ao carro. Como visto no mercado internacional, a medida facilita, assim, a vida de quem aluga carros ou faz assinatura. Isso pode aliviar o bolso dos motoristas de aplicativos, por exemplo, que adotam o compartilhamento de automóveis.

"O consumidor terá mais opções. E poderá pagar menos pelo seguro. Sem contar a flexibilidade extra para encontrar produtos que atendam seus interesses específicos. A opção de ter o seguro ligado ao condutor (e não ao veículo) pode ser conveniente para diversos consumidores", argumenta Rafael Scherre, diretor da Susep.

Personalização

Além disso, as novas regras permitem, ainda, que o interessado monte a sua própria cobertura. De acordo com Scherre, o cliente pode escolher entre diferentes opções, mais ou menos abrangentes. Ou seja, tal como apólices com cobertura parcial, ou as que dispensam aplicação de franquia em caso de indenização integral. E essa liberdade já praticada por algumas seguradoras, reflete diretamente no custo final.

Outra mudança é que o seguro fica passível de ativação/desativação pelo contratante durante o uso do veículo. Então, isso também reduzirá os custos. "Esperamos um crescimento significativo do mercado com a ampliação de cobertura, inclusão e, principalmente, inovação", argumenta Scherre. Para o diretor da Susep, agora há base para um ambiente favorável à concorrência e aos novos negócios. Ou seja, com menos restrições regulatórias.


fonte: Jornal do Carro


Comentários

ANÚNCIO - CONTATO - net4eduardo@gmail.com

Nome

E-mail *

Mensagem *

AS MAIS LIDAS

Gratidão, Presidente!

  É tempo de agradecer: a Deus, por nos dar o dom da vida e sua graça, sem os quais não teríamos chegado até aqui! E a quem pôs sua própria vida em risco para defender nossos valores – obrigado, Presidente Bolsonaro! Obrigado, não apenas por tentar implantar o 13º Salário do Bolsa família, apesar de Maia e a esquerda (que diz defender os pobres) impedirem, mas por ser fiel ao prometido em campanha: cuidar, com olhos de pai responsável, dos que precisam de cuidados. Gratidão por quase 70 milhões de pessoas (inclusive autônomos que a esquerda odeia), receberem o auxílio emergencial por conta da peste vermelha. Obrigado pelo grande ministério técnico, com craques como Guedes que quase zerou os custos com covid, fazendo a economia reverter em “V”, ou Tarcísio que entrega obras à velocidade da luz! O povo ainda brinca, dizendo que ele vai asfaltar o mar! Gratidão por acabar com o loteamento que faziam no passado, em que presidentes leiloavam ministérios e cargos em troca de apoio (e, provav

Duas histórias degradantes

Boulos é PSOL, Marielle era PSOL, Marcelo Freixo também é PSOL! Depois do assassinato de Marielle, sua "viúva" assumiu o protagonismo do caso e os pais da vereadora ficaram revoltados, ameaçando "abrir o bico"... Marcelo Freixo teve de agir rápido para que o escândalo não explodisse. Falou com seu amigo George Soros, que providenciou um "cala boca" de 350 mil reais aos pais de Marielle (esta história foi contada em 2019 por uma mídia insuspeita nesse caso: a Revista Época, do Grupo Globo de Comunicação). Já o adversário de Boulos, o prefeito Bruno Covas é o cínico perfeito: seguiu à risca o plano genocida de seu governador, usou e abusou do Protocolo da Morte (herança maldita do maldito Mandetta), passou o tempo inteiro de costas viradas para o tratamento precoce. A imagem que fica de Bruno Covas nesta ‘farsa pandêmica’ é aquela sua aparição na TV para anunciar a compra de milhares de sacos pretos para enterrar os mortos pela peste chinesa. Nos últimos mes

DORIA NÃO MENTE

O estapafúrdio contrato “ultraconfidencial” entre o Butantan e a Sinovac, que não especifica valor entre as partes

  O contrato que o Instituto Butantan, dirigido por Dimas Tadeu Covas, que diz não ter relação de parentesco com Bruno Covas, prefeito de São Paulo, e o gigante laboratório chinês Sinovac, acreditem, não determina quantidade e valor unitário da vacina. A grosso modo, o contrato beneficia apenas um lado no acordo: o chinês. As cláusulas do contrato, anunciadas, em junho, como “históricas” pelo governador de São Paulo, João Dória, revelam outras prioridades que, obviamente, não tem nada a ver com a saúde da população do Brasil, como o tucano chegou a afirmar para o presidente Jair Bolsonaro, quando fazia pressão para o chefe do executivo liberar a vacina no país. A descoberta ocorre na semana em que os testes com a vacina foram suspensos devido ao falecimento de uma voluntária, cujo motivo da morte – sequer – foi informado pelo Butantan à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), que é o órgão de proteção à saúde da população por intermédio de controle sanitário da produção e co

Rancho D´Ajuda

Feliz Natal! Canadauence.com

Afogamento

Após um afogamento, é fundamental chamar serviço capacitado para realizar a prestação de socorro O afogamento pode ser definido como a aspiração de líquido não corporal por submersão ou imersão.  É uma fatalidade que leva muitas pessoas à morte, sendo no Brasil a segunda maior causa de morte nas idades compreendidas entre 5 e 14 anos.  Anualmente mais de 7.000 brasileiros morrem por causa de afogamentos. →  Quais são as principais causas de afogamento? Os afogamentos são traumáticos e normalmente associados a momentos de lazer entre amigos e familiares. As causas são diversas, entretanto, relacionam-se, principalmente: Falta de habilidade na natação; Falta de conhecimento a respeito do local em que se nada; Cansaço do nadador; Traumatismo por mergulho em águas rasas ou com pedras; Cãibras ; Uso de  álcool ; Problemas de saúde, como infartos e crises convulsivas. Analisando os fatores que levaram ao afogamento, podemos classificá-lo em primário ou secundário. O  primário  é aquele em qu

Exclusivo! Pesquisa que aponta vitória de Lula em 1° turno foi paga por banco que já foi citado em delação premiada

  A primeira pesquisa eleitoral de 2022 para o cargo de presidente da República, publicada por diversos veículos de imprensa nesta quarta-feira (12), aponta um cenário amplamente favorável ao ex-presidente  Lula . Com 45% das intenções de voto, quatro pontos a mais do que os concorrentes somados, o petista poderia vencer já em primeiro turno. Longe de ser novidade que pesquisas recentes indiquem um cenário pró-Lula, o que é questionável, porém, é quais seriam os responsáveis por financiar tais consultas. Com o início do ano eleitoral, passou a ser obrigatório que as pesquisas sejam registradas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e, entre as informações, conste quem paga pelos estudos. E foi com base nessas informações que o  Pleno.News , por meio do cruzamento de dados divulgados nos sites do TSE, da Receita Federal e do Portal da Transparência, descobriu que o pagador da primeira pesquisa do ano é uma instituição bancária que já foi citada em uma delação premiada do doleiro Lúcio Fun

A grande farsa

  “Amigos, há um momento, na vida dos povos, em que o país tem de ser anunciado, promovido e profetizado”. (Nelson Rodrigues). A Globo e o Consorcio de Imprensa que ela comanda, inventaram uma grande farsa: a crise na Seleção Brasileira. Dela participaram Tite, Casemiro, Renan como bonequinhos de ventríloquo, que vocalizaram as “dores” que os pobres atletas-europeus estavam sentindo. Por tabela, entra Rogério Caboclo, um “homem mau”, namorador, que precisava ser eliminado urgentemente da CBF, segundo deixa entender a Globo. No núcleo central da trama a Copa América e o vírus que provoca a epidemia.Acompanhe o desenrolar da trama, digna de uma novela mexicana: Casemiro, a quem o técnico Tite entregou a braçadeira de capitão da Seleção, perguntado pelo repórter Eric Faria, da TV Globo, “se a posição que ele pretende externar após o jogo de terça é compartilhada pelos companheiros, ele garantiu que fala pelo grupo”, disse: – “Nós iremos falar, o Tite explicou a situação, eu como capitão,

Jornalista investigativo desbarata “laranjal” e desmascara Guilherme Boulos

Esse cidadão Guilheme Boulos é efetivamente uma figura de alta periculosidade. Sua mente é muito mais doentia que a de Lula. É um sujeito que faz da ‘politicagem’ um meio para obtenção de vantagens. Para tanto, é capaz de qualquer coisa. Não mede as consequências e é extremamente ardiloso. Felizmente, Boulos tem pouca intimidade com a inteligência. Assim, não resiste a uma boa investigação. Nesse sentido, o destemido jornalista Oswaldo Eustáquio resolveu olhar com mais atenção a campanha política que Boulos realiza em São Paulo. Já detectou um verdadeiro “laranjal” que o “gigolô de sem-teto” - nas palavras do jornalista Augusto Nunes - está formando em São Paulo. O esquema foi montado para fraudar a campanha em 2020. Uma empresa foi aberta apenas para receber R$ 500 mil e desviar o dinheiro público. O jornalista foi até o local que deveria funcionar a empresa e explodiu o esquema. O dono da casa admitiu que trata-se de um local de fachada e que a empresa, que faturou meio milhão, tem a