Postagem em destaque

Oscar 2019 - 1ª mulher indígena como melhor atriz? "Roma" já era um dos filmes mais comentados do ano

Antes mesmo de ser visto pela primeira vez,  Roma  já era um dos filmes mais comentados do ano. Dado como certo na competição do Festival...

Não achou a matéria? Pesquise aqui!

domingo, 19 de agosto de 2018

Só 5 dos 26 estados do país são eficientes, aponta ranking da Folha

Orla da capital Florianópolis; Santa Catarina ocupa a primeira colocação por gastar relativamente pouco para ter indicadores acima da média (Bruno Santos/Folhapress)


Ferramenta inédita lançada pela Folha e o Datafolha mostra quais estados entregam mais educação, saúde, infraestrutura e segurança à população utilizando o menor volume de recursos financeiros.
O REE-F (Ranking de Eficiência dos Estados - Folha) considera 17 variáveis agrupadas em 6 componentes para calcular a eficiência na gestão dos 26 estados e detalha ainda a situação das finanças de cada um deles.
Numa escala de 0 a 1, cinco estados ultrapassam 0,50 e, por isso, podem ser considerados "eficientes" -Santa Catarina, São Paulo, Paraná, Pernambuco e Espírito Santo. Outros seis mostram "alguma eficiência" no uso de seus recursos e os demais 15 podem ser considerados "pouco eficientes" ou "ineficientes".
O objetivo do REE-F é quantificar o cumprimento, pelos governos estaduais, de funções básicas e previstas em lei segundo seus recursos financeiros.
Aparecem mais bem posicionados os estados que gastam menos, por exemplo, para ter mais jovens na escola, médicos e leitos em hospitais, redes de água e esgoto, melhores rodovias e menores índices de violência.

A partir do cruzamento com a atividade econômica dos estados, o REE-F mostra que aqueles que mantêm ou que ampliaram sua base industrial e de serviços na composição do PIB (Produto Interno Bruto), com impacto positivo na arrecadação de impostos, tendem a ser mais eficientes. Já os que têm a agricultura, a administração pública e os repasses da União como principais fontes de receita se saem pior.
Além de mostrar correlação com o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) da ONU, o REE-F revela que altas taxas de mortalidade infantil e homicídios são os sinais mais fortes da ineficiência de um estado. E que aqueles que possuem receita per capita maior não são necessariamente os com melhor desempenho.
O trabalho traz ainda um amplo panorama das dificuldades dos estados, com a queda na receita e investimentos na crise econômica, e a explosão das despesas com o aumento do funcionalismo ativo e inativo.
Com cada vez menos receitas disponíveis para o básico, os estados têm à frente um desafio inédito: quase a metade dos servidores está em idade de se aposentar, colocando em xeque o atendimento à população.

fonte: Folha de S. Paulo

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

COMPARTILHE