Postagem em destaque

Volkswagen anuncia que vai conceder férias coletivas para mil metalúrgicos em sua planta no ABC

Planta de São Bernardo pode dar férias coletivas a 11% do efetivo por 30 dias a partir de agosto A Volkswagen deve colocar cerca de 1....

segunda-feira, 26 de março de 2018

Almoçar em S. José dos Campos custa caro, quase R$ 30 em média, em trinta dias funcionários tem gasto de R$ 598,18

Resultado de imagem para almoço kilo
O valor corresponde à quantia de R$ 598,18 mensais gastos pelos funcionários, o que representa mais da metade do que é recebido pelo trabalhador que ganha salário mínimo
Thaís Leite@_thaisleite
Os trabalhadores que almoçam em estabelecimentos de São José dos Campos precisam arcar com o preço médio de R$ 27,19 com a alimentação. O valor corresponde à quantia de R$ 598,18 mensais gastos pelos funcionários e, quando comparado ao salário mínimo, a refeição é responsável por reter 53,96% do montante recebido pelo trabalhador.
Esse é o resultado de uma pesquisa realizada pela ABBT (Associação Brasileira das Empresas de Benefício ao Trabalhador), que avaliou mais 50 cidades brasileiras a fim de apresentar o quanto deve ser desembolsado para almoçar em cidades de importância econômica no país.
Para chegar ao valor, foram pesquisados os preços do prato principal, bebida não alcoólica, sobremesa e café, em locais com self-service por quilo ou buffet com preço fixo, restaurante que oferece uma opção de prato do dia mais em conta que os demais apresentados no menu, além de à la carte.
Apesar de o valor mensal representar mais da metade do salário mínimo, poderia ser pior. Na capital paulista são gastos, em média, R$ 34,33, por refeição. O valor é acima da média nacional, que fica em R$ 34,14.
Charles Vilas Boas, de 30 anos, depende da alimentação fora de casa todos os dias. "O preço da comida é muito caro, mas eu não tenho tempo de ir para casa e retornar para o trabalho", lamentou o perito veicular.
Para o economista Edson Trajano, o valor da refeição no município decorre de fatores como a má oferta agrícola encontrada na região. O economista ainda explica que a solução está em casa. "A produção de marmita fica muito mais barata", explicou.
Solução utilizada há dois anos pelo processista Eduardo Vergueiro, de 25 anos. "Se eu fosse almoçar no restaurante próximo ao local que trabalho, gastaria cerca de R$ 400, fazendo marmitas caseiras eu gasto de R$ 100 a R$ 150", contou, Vergueiro..

fonte: O Vale

COMPARTILHE

AS MAIS LIDAS DA SEMANA

Scorpions - The Concert Live in Munich - Show Completo

Flagra! Chevrolet Spin renovada é vista disfarçada antes da estreia